Testemunha confirma motorista na morte de garoto no Rio

Uma testemunha considerada chave confirmou nesta quarta-feira, em depoimento à Polícia Civil, que o acusado Carlos Eduardo Toledo de Lima, 23 anos, dirigia o Corsa roubado em que morreu arrastado o menino João Hélio Fernandes, de 6 anos. "Com o depoimento da testemunha, fechamos com chave de ouro. O caso está encerrado com relação à autoria e às responsabilidades", declarou o delegado titular da 30.ª DP, Hércules Pires do Nascimento. A testemunha, que teve a identidade preservada, foi espontaneamente à delegacia, segundo Nascimento, para retificar depoimento que havia feito após o crime, ocorrido na quarta-feira da semana passada. Na ocasião, Diego Nascimento da Silva, 18 anos, fora apontado como o motorista. "A testemunha explicou que houve um equívoco no reconhecimento, que queria referir-se ao Carlos Eduardo, mas se enganou. Com as imagens da acareação, percebeu que foi ele (Carlos Eduardo). Essa era uma das últimas dúvidas", disse o delegado. Carlos Eduardo nega a acusação, mas foi apontado como motorista por Diego, Carlos Roberto da Silva e Tiago Abreu Matos, também envolvidos no crime. O único a inocentá-lo foi o irmão, o adolescente de 16 anos acusado de participação. O inquérito está praticamente fechado. Falta apenas a reconstituição no local do crime, prevista para amanhã, o depoimento da mãe e da irmã de João Hélio, que estavam no carro quando ele foi roubado, e os laudos pendentes.

Agencia Estado,

14 Fevereiro 2007 | 22h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.