Testemunha da morte de Chan Kim Chang aparece com ferimentos

A polícia e a Secretaria Estadual de Direitos Humanos investigam se o preso Fabiano de Oliveira Costa, testemunha do caso Chan Kim Chang, também foi agredido dentro do presídio Ary Franco. Ele foi encontrado na noite de domingo com uma marca de queimadura na boca e com manchas vermelhas e escoriações no pescoço.Costa, que participou, na última sexta-feira, da reconstituição da morte do comerciante chinês, foi retirado de sua cela depois que a direção do Ary Franco recebeu denúncia de que ele havia sido agredido dentro da unidade. O preso foi levado à delegacia da Piedade e, em seguida, submetido a exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), onde chegou na madrugada de segunda-feira. Em depoimento, Costa negou que tenha sido espancado ou torturado e contou que se queimou porque dormiu com um cigarro aceso na boca. A polícia apura se ele se machucou sozinho ou se foi agredido por agentes penitenciários ou por outros presos. Hoje, Costa foi ouvido na PF, mas o conteúdo do relato não foi divulgado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.