Testemunha descreve assassino de médica

Vendedor de frutas diz ter visto homem branco e com cabelos lisos na companhia de pediatra paulista morta

Eliana Lima, O Estadao de S.Paulo

08 Agosto 2009 | 00h00

Uma testemunha, um vendedor de frutas de São Sebastião do Passé, na região metropolitana de Salvador, apresentou-se à polícia baiana para contribuir com as investigações do assassinato da médica Rita de Cássia Martinez, de 39 anos, encontrada morta na quinta-feira. Ele contou à polícia ter visto um carro, supostamente a Zafira da vítima, em alta velocidade, no dia do crime, nas imediações do local onde o corpo foi encontrado, em Fazenda Lagoa, em São Sebastião do Passé. Ele contou que teve de se jogar para a margem da estrada para não ser atropelado pelo veículo. Na direção, segundo a testemunha, havia um homem branco, de cabelos lisos. Um pouco adiante, ele se deparou com o corpo da médica. O veículo foi abandonado na BR-324. A filha de 1 ano e 8 meses da vítima dormia no carro. Seguindo a pista do vendedor, a polícia chegou a um suposto envolvido, cruzando a descrição com imagens do circuito interno do shopping onde a médica fez compras momentos antes de ser sequestrada, na quarta-feira. Rita de Cássia foi ao shopping na quarta-feira comprar presentes para o Dia dos Pais, acompanhada da filha. Os funcionários da loja não perceberam qualquer anormalidade. As imagens mostram um homem seguindo a médica. Os investigadores compararam a imagem com pessoas fichadas na polícia. Anteontem, o suspeito foi ouvido e liberado em seguida. O delegado-chefe da Polícia Civil, Joselito Bispo, informou que várias pessoas já foram ouvidas, mas ainda não há nada de conclusivo. Equipes da Delegacia de Homicídios continuam em busca de pistas no local onde ocorreu o assassinato. "Estamos analisando o material cedido pelo shopping", disse Clóvis Santos, chefe de investigação. Marcas de pneus na cabeça e no tronco indicam que um veículo passou sobre o corpo da pediatra mais de uma vez. Ela não apresentava sinais de tiro ou de que tenha sido esfaqueada. A bolsa, com joias e compras, foi deixada no veículo. Só a carteira foi levada. Ainda não foi marcado o depoimento do marido de Rita de Cássia, o médico Márcio Alves Martinez. O corpo da pediatra deixou Salvador na manhã de ontem com destino a São Paulo, depois de uma cerimônia realizada na capela do Cemitério Campo Santo. Após o desembarque no Aeroporto de Congonhas, o corpo seguiu para São Sebastião da Grama, no interior, onde foi enterrado à tarde. Priscila Giacon, prima da médica, contou que a filha da vítima passa bem. "Felizmente, ela não entende a situação. É difícil falar. Estamos muito abalados. O marido dela está arrasado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.