Testemunhas confirmam propina para sindicato dos motoristas

A Polícia Federal já tem provas testemunhais de que os empresários de ônibus pagavam propina para alguns diretores do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de São Paulo. Além disso, patrões e sindicalistas também teriam abastecido a campanha de um vereador que tem feito duras críticas aos empresários e à atual gestão da entidade.As denúncias foram feitas nesta segunda-feira por seis pessoas, entre motoristas e cobradores, ouvidas pelo delegado Grivaldo de Andrade, da Delegacia de Ordem Política e Social da PF - desde esta segunda ele integra a força-tarefa que investiga o sistema de transportes.Em seus depoimentos, as testemunhas acusam formalmente os grupos Ruas, Constantino, Belarmino e Baltazar de levarem à falência algumas empresas, que estavam atoladas em dívidas com o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) e tinham altos valores de encargos trabalhistas a serem quitados.Segundo as testemunhas, os empresários mudavam a razão social dessas empresas falidas, criando empresas "limpas". Sem pendências, elas conseguiam participar de novas licitações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.