Testemunhas dizem que casal mencionou Satanás ao tentar matar filhos

O advogado de defesa de Sara Maria Rosolen Alvarenga, Pedro Renato Lúcio Marcelino, contestou nesta sexta-feira o laudo toxicológico que apontou uso de cocaína pela mulher, acusada de tentar participar da tentativa de assassinato de seus dois filhos. O exame apontou ainda álcool e cocaína no sangue do marido de Sara, Alexandre Alvarenga. Marcelino disse que irá solicitar um novo exame.Ele descartou que a sua cliente usasse drogas ou visitasse sites satânicos. O promotor, porém, garantiu que as testemunhas dos crimes ?foram unânimes? em dizer nos depoimentos a inquérito policial que o casal fez menção a Satanás, enquanto o pai atacava os filhos.No domingo, depois de um almoço em família, Alexandre jogou seu filho de 1 ano contra um carro em movimento e bateu com a cabeça de sua filha de 6 anos várias vezes contra uma árvore. Sara não impediu o marido nem socorreu os filhos.A menina teve ferimentos leves e está sob a guarda dos avós maternos. O menino continuainternado em estado grave no Hospital Municipal Mário Gatti. Nesta sexta-feira, o bebê começou a respirar espontaneamente, sem ajuda de aparelhos.Os médicos estão reduzindo a sedação e, segundo eles, o menino movimenta os membros, os olhos, mas ainda não interage. De acordo com o boletim médico, ele está em nível de consciência rebaixado, tem hemiparesia, limitação de movimentos, no lado direito.A equipe médica informou que, apesar da melhora no quadro, o bebê ainda corre risco de vida. Ele está sendo mantido com soro, mas sem nenhum aparelho. O advogado de Sara pediu relaxamento de flagrante e liberdade provisória para sua cliente, alegando que ela não teve participação ativa nas duas tentativas de assassinato.O promotor Marcos Tadeu Rioli comentou que requereu ao juiz a manutenção da acusada na prisão. ?Ela participou da execução de dois crimes hediondos?, justificou. Até o final da tarde desta sexta, a Justiça não se havia manifestado sobre o pedido do advogado.Marcelino afirmou que, além de um novo exame toxicológico, vai pedir uma análise de sanidademental de sua cliente. Ela não se situa sobre o que aconteceu e pergunta pelos filhos, afirmou o advogado, que esteve com Sara na cadeia nesta quarta-feira à noite.Nesta sexta-feira, as presas da cadeia de Valinhos se sensibilizaram com o estado de Sarae rezaram junto com ela pela saúde do filho, conforme uma carcereira. Mesmo assim elapermanece isolada, como Alexandre, que continua detido no Centro de Detenção Provisória de Campinas, Hortolândia. O advogado dele, Luiz Henrique Cirilo não foi encontrado nesta sexta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.