Testemunhas reconhecem acusados de castrar crianças de Altamira

O comerciante Amailton Madeira Gomes e o ex-soldado da Polícia Militar do Pará Carlos Alberto dos Santos Lima, acusados de seqüestro, tortura, castração e morte de cinco crianças em Altamira, foram reconhecidos, hoje, no Tribunal do Júri como envolvidos nos crimes por dois sobreviventes e testemunhas. Enquanto Amailton teria sido visto andando de carro e a cavalo nas proximidades dos locais onde alguns corpos foram encontrados, Carlos Alberto seria o mesmo homem que teria atraído duas crianças para a mata e depois as dopado para outras pessoas castrá-las. A funcionária do Conselho Tutelar de Macapá, Sueli de Oliveira Matos, também acusou Carlos Alberto de envolvimento com os crimes. O ex-policial militar teria confessado a ela espancar meninos nas ruas de Altamira e desvirginar menores entre 12 e 14 anos. O julgamento deve prosseguir nesta sexta-feira, quando haverá o duelo entre acusação e defesa, com três horas para cada lado. A sentença deve sair no final da tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.