Texto de menino do Jd. Ângela conquista prata

A letra de forma retratou o que outras gerações que já passaram pelo Jardim Ângela se cansaram de ver. Ele tinha dúvidas sobre a grafia de "agradecemos", pois trocar "c" por "s" era falha recorrente que, agora, nas aulas de recuperação, o menino corrige. E Gabriel Alves, de 11 anos, agradeceu. Agradeceu pela campanha do desarmamento. Afinal, foi a arma que um colega poucos anos mais velho exibia na cintura que o matou em acidente com bala perdida. E ele não esquece.Na redação, Gabriel, que sempre foi Binho, pediu para que a escola e a polícia continuassem na batalha por um bairro com menos violência e menos drogas. O texto do aluno de 4.ª série, que está em um programa da Escola Estadual Rosa Pavone Pimont para recuperar a defasagem escolar, conquistou o 2.º lugar do concurso com 3 mil estudantes. "Ganhei uma medalha e quase não acreditei", contou. "Fiquei nervoso e engasguei na hora de ler em público. Cheguei em casa, ganhei um abraço forte da minha mãe."Binho, que agora nem é mais lembrado como "aluno com dificuldade de leitura", venceu a campanha, promovida pelas Secretarias Estaduais da Educação e Segurança Pública, que premiou as melhores redações sobre desarmamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.