Thomaz Bastos diz que não há falta de autoridade no País

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, afirmou nesta segunda-feira à noite, ao deixar a Subcomissão Permanente de Segurança Pública, no Senado, que não há falta de autoridade no País: "O estado de direito está absolutamente mantido. O presidente faz questão disso, e o ministro da Justiça, também. Então, não há nenhuma quebra de autoridade. O que houve é que as questões se acumularam no Brasil durante muito tempo".Sobre os atos de barbárie durante motim no presídio Urso Branco, em Porto Velho (RO), Thomaz Bastos disse que nesta terça mesmo haverá uma operação no Estado para controlar a rebelião. Ele qualificou o episódio de tragédia. "Estamos acompanhando aquela questão há muito tempo e tomando medidas. É deplorável o que ali aconteceu. Estávamos investindo fortemente naquele presídio. Assinamos um convênio, estamos fazendo um mutirão para regularização de penas e vencimento de penas. Estamosdando uma atenção uma atenção muito grande a Rondônia".Em relação ao massacre de garimpeiros no município de Espigão do Oeste, também em Rondônia, o ministro afirmou que não houve omissão do governo federal: "Nós tínhamos consciência da gravidade da situação. Tomamos várias providências. Vamos tomar outras, mas, em nenhum momento, houve omissão do governo federal."O ministro da Justiça também voltou a negar que haja intenção do governo de utilizar as Forças Armadas contra o crime organizado no Rio de Janeiro. Segundo ele, essa iniciativa "não está no horizonte" do Ministério da Justiça.

Agencia Estado,

20 de abril de 2004 | 00h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.