Marcelo Lima/Estadão
Marcelo Lima/Estadão

Tiago Abravanel comanda festa em néon na Faria Lima

Multidão seguiu o bloco Gambiarra na zona oeste; repórter foi agredido e roubado durante a dispersão

Caio Faheina, especial para O Estado de S. Paulo

24 de fevereiro de 2019 | 19h35

A sensação era de que dois corpos (ou mais) podem ocupar o mesmo espaço. Ao longo da Avenida Brigadeiro Faria Lima, em Pinheiros, na zona oeste, uma multidão dançou e cantou junto com o cantor e ator Tiago Abravanel. O artista animou pelo quarto ano consecutivo o bloco Gambiarra, uma das principais festas LGBTI+ do período carnavalesco de São Paulo. O primeiro ano do bloco, 2015, não teve a participação de Abravanel e ocorreu no bairro Sumaré, também na zona oeste. 

Apesar do aglomerado de pessoas, a estudante Letícia Calixto, de 27 anos, disse que “bloco bom só presta assim”. É o seu terceiro ano consecutivo no Gambiarra e ela afirma que não tem previsão para voltar para casa, na Barra Funda. 

“Este ano está mais organizado. Consegui chegar de metrô tranquilamente”, comparou. A escassez de banheiros, problema relatado pelos foliões desde este sábado, 23, também é apontado por Letícia. “São poucas cabines. A distância entre um banheiro e outro também é grande”. 

Vestido da cabeça aos pés com tons néon, do verde ao rosa, Abravanel cantou hits de artistas como IZA, Pabllo Vittar e Aretuza Lovi. A cantora drag queen, inclusive, faz participação nesta edição. Além de canções nacionais, incluindo Jenifer, de Gabriel Diniz, um dos hits do verão, músicas internacionais também fizeram sucesso durante o percurso, como a composição símbolo da resistência LGBTI+, I Will Survive, de Gloria Gaynor.  

“Temos gente com todos os gêneros e orientações sexuais aqui. Mas, acima de tudo, temos pessoas felizes”, disse Aretuza em cima do trio. “Tendo amor e respeito, a gente muda o mundo”, ressaltou Tiago. 

Além de Aretuza, também participam da folia a cantora e atriz Jeniffer Nascimento, a banda Tchakabum, a dupla Talis e Welinton e a travesti Xuxeta, personagem do artista Lindsay Paulino. Miro Rizzo é o DJ residente da festa. 

O trio seguia no fim da tarde deste domingo até o Largo da Batata, ponto de encontro de outros blocos. Um pouco mais distante de Gambiarra, dois outros trios animava, os foliões com axé e música eletrônica. A Prefeitura de São Paulo estimou a participação de 50 mil pessoas no trajeto completo.

Repórter é roubado após dispersão do bloco

O repórter do Estado Caio Faheina foi agredido e roubado pouco antes das 22 horas, após o encerramento do bloco Gambiarra. O jornalista acompanhava a dispersão dos foliões no entorno do Largo da Batata, em Pinheiros, na zona oeste.

Segundo ele, os foliões estavam bebendo e dançando, quando ocorreu um tumulto repentino na Rua Fernão Dias, quase esquina com a Rua Campo Alegre, próximo à Paróquia Nossa Senhora do Monte Serrate. Cerca de 30 rapazes começaram um confronto, com arremesso de objetos de vidro, que teria relação a uma disputa por venda de drogas.

Distante do tumulto, Faheina começou a filmar a situação com o celular, quando foi repentinamente atacado com um soco por um rapaz. O aparelho do jornalista caiu no chão em seguida, sendo roubado pelo agressor.  Faheina não teve ferimento grave. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.