Tijuca cobra participação de Galisteu

Nem sempre a convivência entre escola de samba e rainha de bateria é tão tranqüila como parece ser o caso de Natália Guimarães e da Unidos de Vila Isabel. Fernando Horta, presidente da Unidos da Tijuca, por exemplo, não está lá muito satisfeito com sua rainha, a atriz e apresentadora de TV Adriane Galisteu. "Ela está muito ausente da escola", reclama Horta.Veterana da Marquês de Sapucaí, Adriane assumiu o posto em janeiro deste ano, às vésperas do desfile. "Pedimos para ela arrumar patrocínio, mas não apareceu nada. Ela se promove mais do que a escola. Tem que colaborar. Quando vem ao ensaio, a quadra enche mais", diz Horta. "Ela não pode aparecer só quando quer. Se desse uma grana boa, tudo bem. Mas não é o caso."Adriane, que vive em São Paulo, reconhece que anda meio ausente do barracão da escola. "Apresento um programa ao vivo de dia na TV e de noite estou fazendo teatro. Mas eu colaboro com a minha imagem. Se puder, é claro que eu vou ajudar a escola a conseguir patrocínio", garante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.