Tinder só para maiores

SÃO PAULO - A partir da semana que vem, o aplicativo de encontros Tinder só poderá ser usado por quem tem mais de 18 anos. A empresa anunciou a medida como forma de proteger os mais novos. 

Jairo Bauer, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2016 | 05h00

Para quem não conhece, a plataforma é a maior do gênero e permite que as pessoas encontrem pares românticos nas proximidades de onde estão, graças ao sistema de localização dos celulares. Para um “match” (encontro), os dois têm de se curtir. A partir daí, podem trocar mensagens e, eventualmente, marcar um momento “real”. Segundo informações do site Olhar Digital, mais de 11 bilhões de conexões já foram feitas no mundo por pessoas que usam o aplicativo.

Os adolescentes de 13 a 17 anos podiam ter perfis no Tinder, mas ele só autorizava troca de mensagens com jovens da mesma faixa de idade. Agora isso não será mais permitido. Esses jovens representam apenas 3% do público que usa o aplicativo.

No último ano, tanto o Tinder como outros aplicativos de encontro estiveram na mira de especialistas em saúde pública e comportamento nos Estados Unidos e na Europa por, de alguma forma, estarem sendo associados a um aumento do número de doenças transmitidas pelo sexo (incluindo HIV), principalmente entre os mais jovens. Na Califórnia, por exemplo, outdoors foram espalhados pelas ruas alertando sobre o maior risco de contaminação por gonorreia para as meninas que utilizavam o aplicativo.

O motivo, segundo os especialistas, é que ao marcar encontros imediatos e agindo, muitas vezes, por impulso, as pessoas tenderiam a se proteger menos na hora do sexo. Além disso, conhecer alguém pelo aplicativo poderia criar uma falsa sensação de intimidade e segurança, o que também faria com que as pessoas baixassem a guarda na hora de usar camisinha.

A nova medida anunciada pode ser inócua se for feita isoladamente. Uma das questões é que o aplicativo usa dados de outras redes sociais, como o Facebook, onde informações sobre a idade podem ser alteradas e até mesmo perfis falsos podem ser criados pelos usuários.

Como com qualquer tipo de proibição ou restrição total de acesso na internet, o alcance da medida pode ser muito limitado. É muito mais produtivo, nesse sentido, que os mais novos sejam educados para o uso da tecnologia e pais e professores possam se capacitar para perceber eventuais mudanças de comportamento e, então, discutir com os jovens os impactos das suas atitudes. Bom lembrar que em prevenção, conversar e negociar é sempre melhor do que proibir e impedir.

Puberdade e saúde sexual. Um novo estudo no campo da saúde reprodutiva dos jovens, divulgado na última semana, sugere que o início mais precoce ou mais tardio dos sinais da puberdade nos garotos (pelos pubianos, voz mais grossa, crescimento dos órgãos genitais) pode ter impacto em sua vida sexual e em sua saúde em geral.

Cerca de 1 mil jovens dinamarqueses de 19 anos que estavam se alistando no serviço militar do País entre 2008 e 2012 responderam um questionário sobre o início de sua puberdade (que acontece entre 9 e 14 anos) e tiveram amostras colhidas de sangue e sêmen. Os resultados foram publicados no periódico Human Reproduction e divulgados pelo site Medical News Today.

Aqueles que iniciaram a puberdade mais tarde tinham pior qualidade do esperma (número, morfologia e motilidade dos espermatozoides), menor tamanho dos testículos e taxas mais baixas de testosterona (hormônio sexual masculino), o que, em teoria, poderia comprometer sua fertilidade. Segundo os pesquisadores, uma ressalva é que parte deles ainda poderia estar em processo de maturação sexual.

Aqueles que iniciaram as transformações corporais mais cedo eram mais baixos, tinham maior IMC (índice de massa corpórea, que indica sobrepeso e obesidade), maior chance de terem sido expostos ao tabaco na gestação, maior risco de serem fumantes e taxas mais elevadas de DSTs (doenças transmitidas pelo sexo). 

Se os dados do trabalho forem confirmados por outros estudos, eles podem indicar que o início da puberdade deve merecer atenção especial dos pais e médicos quando for muito precoce ou muito tardio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.