Tiro que matou jovem em bicicleta não partiu da PM, diz laudo

O ajudante-geral Cristiano Cardoso da Silva, de 24 anos, que morreu vítima de uma bala perdida na madrugada do sábado, foi atingido por uma bala dos assaltantes que a Polícia Militar perseguia, informou um laudo de balística divulgado há pouco pela Secretaria da Segurança Pública.O nota da Secretaria diz o seguinte: "O exame de balística realizado pelo Instituto de Criminalística constatou que o projétil encontrado no corpo de Cristiano Cardoso da Silva é de calibre 9 milímetros. Portanto o tiro que atingiu o ajudante-geral não partiu da arma dos policiais, que portavam dois revólveres calibre 38, que foram apreendidos".Cristiano tinha acabado de sair da casa da mãe, no Jardim Rosana, zona sul da capital paulista, e descia de bicicleta a Rua Reverendo Peixoto da Silva, na noite de ontem, quando policiais militares abordaram três homens em um carro roubado na Avenida Carlos Lacerda. Ferido durante a troca de tiros entre os ladrões e os policiais, o rapaz foi levado para o pronto-socorro do Hospital do Campo Limpo, onde faleceu. Depois da troca de tiros com a PM, a quadrilha conseguiu fugir, mesmo após bater o carro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.