Tiroteio entre policiais e suspeitos deixa 12 mortos em Salvador

Três feridos, entre eles um adolescente, continuam internados; com o grupo, polícia encontrou 16 armas, munição e droga

Tiago Décimo, O Estado de S. Paulo

06 de fevereiro de 2015 | 10h33

Atualizada às 22h32

SALVADOR - Um tiroteio envolvendo nove policiais e cerca de 30 suspeitos, segundo a Secretaria de Segurança Pública, deixou 12 mortos e 4 feridos na madrugada desta sexta-feira, 6, no bairro do Cabula, em Salvador. Dez vítimas morreram antes de chegar ao Hospital-Geral Roberto Santos, para onde os baleados foram encaminhados, e dois depois de hospitalizadas. Durante o dia, chegou a ser divulgado que o número de mortos era de 13, mas a assessoria do hospital negou a informação no fim da tarde.
Dois feridos continuam internados na unidade. Um quarto teve alta médica durante a tarde e foi preso em flagrante. Um sargento da Polícia Militar também ficou ferido, atingido de raspão na cabeça. Medicado, já foi liberado. Outros três integrantes do grupo, entre eles outro adolescente, foram presos em flagrante e os demais teriam conseguido fugir.
Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP), o tiroteio aconteceu às 2h40, depois que uma equipe das Rondas Especiais (Rondesp) da PM localizou um grupo de seis homens que, de acordo com o Serviço de Inteligência da SSP, faria um ataque a uma agência bancária da Caixa Econômica Federal localizada na Estrada das Barreiras. Ao ser abordado pelos policiais, o grupo suspeito teria reagido a tiros e recebido apoio de outros cerca de 25 homens, que acompanhavam a ação escondidos em matagais próximos. 
A ação policial foi elogiada pelo secretário de Segurança Pública, Maurício Barbosa. "A polícia deve ser dura, agir com rigor e de forma enérgica no combate ao crime organizado", disse. "Criminoso que quiser enfrentar a polícia vai ter resposta à altura."
De acordo com ele, o combate a arrombamentos de caixas eletrônicos tem recebido mais atenção da polícia por "colocar a sociedade em risco". No início da semana, uma ação do gênero chamou a atenção em Salvador, quando assaltantes explodiram, durante a madrugada, um caixa eletrônico em um posto de combustíveis em uma das avenidas mais movimentadas da cidade, a Tancredo Neves, no centro empresarial da capital baiana e ao lado de um dos maiores hospitais da cidade, o Sarah Kubistchek.
Segundo a polícia, existe a suspeita que o grupo localizado na madrugada desta sexta seja o mesmo que realizou esse roubo. O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e a Corregedoria investigam o caso. Segundo a Polícia Civil, todas as armas usadas no tiroteio foram entregues espontaneamente pelos policiais, ainda durante a manhã, e eles se comprometeram a prestar depoimento sobre o confronto - os interrogatórios foram iniciados na tarde desta sexta. O secretário afirmou que, em princípio, os policiais não serão afastados das atividades.
Segundo a SSP, foram encontradas, com os suspeitos, 16 armas, entre revólveres e pistolas de uso restrito, e munição, além de cinco quilos de maconha e quantidades pequenas de crack e cocaína e três veículos com registro de roubo. De acordo com os policiais, alguns integrantes do grupo usavam uniformes do Exército, para se camuflar nos matagais.
Tudo o que sabemos sobre:
ViolênciaSalvadorBahia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.