AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Tiroteio na Rocinha deixa 2 mortos e três policiais feridos

Dois supostos traficantes morreram e três policiais militares foram levemente feridos, no início da tarde desta quarta-feira, 24, em um tiroteio na favela da Rocinha, zona sul do Rio.Durante o confronto, que durou aproximadamente uma hora, um ônibus escolar com pelo menos 20 crianças foi alvejado, mas nenhum estudante se machucou. Três carros da PM tiveram os vidros quebrados e a lataria perfurada pelos tiros dos traficantes. Depois de procurar abrigo na Casa da Paz, prédio público que presta serviços comunitários, uma mulher passou mal e foi hospitalizada.OperaçãoPoliciais do 23.º Batalhão da PM (Leblon) chegaram à Rocinha, por volta do meio-dia, com o objetivo de recuperar um carro roubado em Botafogo, na zona sul. Eles disseram que foram recebidos a tiros quando passaram por uma localidade conhecida como curva do S, na parte alta do morro.Encurralados, os PMs receberam reforços do Grupamento Especial Tático-Móvel (Getam) e do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Quando deixavam a favela, os policiais sofreram um novo ataque. Um PM do batalhão do Leblon foi ferido por estilhaços de vidro no pescoço, perdeu a direção do carro e bateu num poste.Marcos Felipe de Santiago Pereira, o Aranha, de 23 anos, e Cleiton Rodrigues Lopes, o Ratinho, de 17, chegaram mortos ao Hospital Miguel Couto, na Gávea, zona sul. A PM divulgou uma nota afirmando que ambos estavam envolvidos com o tráfico de drogas e informou ter apreendido na operação um fuzil, uma pistola e um revólver; além do veículo roubado. A família de Pereira negou que ele fosse criminoso.O presidente da Associação de Moradores da Rocinha, William de Oliveira, contou que 60 pessoas, entre funcionários e moradores, se refugiaram na Casa da Paz, próxima de onde ocorreu o tiroteio. "Foi um momento de muita tensão. Houve pânico. Uma senhora teve derrame e foi socorrida", declarou. "A comunidade sempre sofre com esse tipo de situação (tiroteio). É preciso punir os culpados, mas não tenho nada a reclamar da atuação da polícia."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.