Tiroteio no Complexo da Maré, no Rio, deixa um morto

Um dia depois de o secretário de Segurança Pública, Anthony Garotinho, anunciar a criação de um grupo de elite para acabar com os tiroteios no Complexo da Maré, mais um confronto no conjunto de favelas deixou uma pessoa morta e outra ferida. A troca de tiros foi entre traficantes e policiais militares, na Vila do João, na madrugada desta terça-feira. De acordo com moradores, a vítima, David de Oliveira Araújo, de 37 anos, era proprietário de uma loja de acessórios para automóveis e não tinha envolvimento com o tráfico. Ele foi baleado nas costas e nas pernas e morreu quando era levado para o Hospital Geral de Bonsucesso. Outro morador, o comerciante Erivaldo dos Santos, de 54 anos, foi atingido no ombro esquerdo e na perna direita. Ele está internado e não corre risco de vida.A polícia disse que os homens tinham envolvimento com os traficantes. O tenente-coronel Álvaro Rodrigues, comandante do Batalhão da Maré, não confirmou a participação de policiais na operação. Segundo ele, a troca de tiros aconteceu entre bandidos de facções rivais. O batalhão foi inaugurado há duas semanas, com a promessa de levar paz à comunidade e combater a ação dos traficantes. Na segunda-feira, Garotinho anunciou que policiais de unidades de elite das polícias civil e militar iriam ocupar as favelas da Maré, em especial justamente a Vila do João e a Vila dos Pinheiros, para evitar que tiroteios fechassem as vias expressas da região. Segundo a polícia,o tiroteio desta terça-feira não teve reflexos nas vias expressas.O subsecretário de Segurança, delegado Marcelo Itagiba, disse que o grupo ainda não está nas ruas. ?Fizemos uma primeira reunião para criar uma estratégia para a Maré?, afirmou. Ele informou que os enfrentamentos são resultado da presença da polícia no complexo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.