TJ afasta juízes acusados de beneficiar quadrilha

A Câmara de Férias do Tribunal de Justiça do Pará afastou do cargo e abriu processo, nesta quarta-feira, contra os juízes Wanda Valente e Luiz Miguel Negrão, acusados de validar, por intermédio de liminares, títulos da Dívida Pública (TDPs) falsos que beneficiaram uma quadrilha cujo golpe contra o sistema financeiro nacional ultrapassa R$ 500 milhões.Na semana passada, sete pessoas, três delas advogados de Mato Grosso do Sul, foram presas pela Polícia Federal em Belém e no município de Cametá. Em poder deles foram encontrados vários documentos e sentenças judiciais que beneficiavam seus clientes.Segundo o superintendente da PF no Pará, Geraldo Araújo, os títulos não possuem qualquer valor legal, foram emitidos no final do século 19 e começo do século 20 e já estão prescritos, embora ainda hoje sejam tidos como autênticas fortunas no mercado paralelo. Os dois juízes podem ser afastados definitivamente do cargo se, ao final do processo, ficar comprovado que eles denegriram a imagem da Justiça com suas liminares. "A juíza não agiu de má-fé", disse seu defensor, o advogado Américo Leal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.