TJ quer Forças Armadas em presídios de segurança máxima

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Marcus Faver, defendeu, nesta terça-feira, a entrega da administração dos presídios de segurança máxima às Forças Armadas. ?Dessa maneira, a polícia poderia agir na segurança à população?, disse, após reunião com o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Nilson Naves, que também se declarou favorável à idéia.Faver afirmou que o traficante Luiz Fernando da Costa, mais conhecido como Fernandinho Beira-Mar, terá de continuar preso no Rio de Janeiro durante a instrução dos processos nos quais ele é acusado. Pela legislação brasileira, os acusados têm de comparecer às audiências sobre os fatos imputados a eles.?Não vejo como transferi-lo para outro Estado?, afirmou. ?Ninguém quer o Fernandinho Beira-Mar?, disse. ?Quem quer o lixo??, questionou. ?Quem pariu Mateus que o embale?, acrescentou Faver. ?Se ele cometeu o crime no Rio de Janeiro, que fique no Estado?, disse.O presidente do Tribunal de Justiça defendeu mudanças na legislação processual que dispensariam a presença dos acusados nas audiências. Eles poderiam participar das sessões por meio de vídeo-conferência. ?Isso baratearia a instrução penal e evitaria tumulto no transporte dos presos?, afirmou.Faver informou que cinco juízes do Rio de Janeiro estão recebendo proteção especial da Polícia Militar para garantir que nada de mau ocorra a eles. Segundo o presidente do tribunal, o serviço de inteligência do órgão captou ameaças aos juízes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.