"Todo mundo sabe onde está o malandro", diz Alckmin sobre Lula

O campanha do candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, no Recife, foi centrada em ataques aos escândalos de corrupção no governo federal e, de forma indireta, teve como alvo, o presidente e candidato à reeleição, Luiz Inácio Lula da Silva."Todo mundo sabe onde está o malandro", afirmou, sem citar nomes, durante entrevista a uma rádio, depois de prometer tirar do papel a Transnordestina e fazer um governo "duro" no combate à corrupção, caso seja eleito. Será possível que ninguém sabe das coisas? Não sabe que no Ministério da Saúde tem pessoas mal intencionadas, fazendo jogo de empresas de parlamentares? Você não conhece os deputados, não conhece seus ministros? Não sabe o que se passa no governo?" , questionou. E emendou: "É muita inocência achar que ninguém, ninguém, viu." Ele voltou a carga ao discursar no lançamento do programa Novo Nordeste que não há motivo para a implantação de uma nova Constituinte exclusiva para fazer a reforma política, como propôs o presidente Lula. "Não há nenhuma necessidade para fazer nova Constituinte para pôr ladrão na cadeia", afirmou. O programa prevê uma série de ações para o desenvolvimento da região.Ao longo da apresentação do programa, o tucano fez uma série de críticas ao governo federal, sem citar seu adversário nominalmente. Em entrevista, Alckmin não quis responder a quem se referia quando utilizou o termo "ladrão", mas acabou admitindo que se referia "a todos" os listados nos recentes escândalos de corrupção do governo.Novo NordesteO projeto Novo Nordeste foi apresentado no teatro Beberibe do Centro de Convenções, em Olinda. Ele prevê 14 propostas prioritárias, entre elas a recriação da Sudene e a criação de um adicional no orçamento da União especificamente para a região. Inova ao definir metas a serem conquistadas a partir da criação de um indicador que mede o desequilíbrio regional, o Índice de Desenvolvimento Social (IDS).O índice é a síntese de vários indicadores já existentes como o Produto Interno Bruto (PIB), Índice de Gini (IPEA), renda domiciliar per capita, grau de abertura (MDIC/SECEX), porcentual de empregos acima de dois salários mínimos, porcentual da população pobre, porcentual da população com ensino médio, porcentual da população com nível superior, nota média no SAEB, taxa de mortalidade infantil (IBGE).Este texto foi alterado às 19h53 para acréscimo de informação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.