'Todos aqueles que falarem de mim vão ter que responder na Justiça'

ENTREVISTA

, O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2010 | 00h00

Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Dersa

Paulo Vieira de Souza, suposto arrecadador de recursos para campanhas do PSDB, avisou ontem: "Todos aqueles que falarem de mim vão ter que responder na Justiça."

O recado teve um destino: a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, que no debate promovido pela TV Bandeirantes, domingo passado, atribuiu a ele suposto desvio de R$ 4 milhões do caixa tucano.

Souza reuniu-se e almoçou com seu advogado, o criminalista José Luís Oliveira Lima. O encontro foi no 32.º andar do Edifício Itália, coração de São Paulo, onde fica o escritório do advogado.

O ex-diretor administrativo e financeiro da empresa Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa), cargo do qual foi demitido em 9 de abril, não revelou exatamente sua estratégia diante da ofensiva do PT que contra ele representou à Procuradoria-Geral de Justiça com pedido de inquérito para investigar seus movimentos e suposto tráfico de influência de sua filha, a advogada Priscila Arana de Souza.

Ele se disse disposto a cobrar na Justiça, via queixa crime e ação de danos morais, aqueles que considera seus detratores. Incluiu nessa lista o vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, que lhe teria imputado desvio de dinheiro do partido - o tucano nega categoricamente que tenha feito tal denúncia.

Às 13h46, Souza despediu-se do advogado, já na Avenida Ipiranga, e caminhou a passos rápidos até um estacionamento na São Luiz, onde um motorista o aguardava. A bordo de um Corolla preto, EMX-6196, disparou pelas ruas do centro.

Entre o escritório e o carro, Souza conversou com a reportagem do Estado.

O sr. vai tomar alguma medida contra a candidata do PT Dilma Rousseff?

Todos aqueles que falarem de mim vão ter que responder na Justiça.

Eduardo Jorge já negou que o tenha acusado de desvio de recursos. Mesmo assim vai processá-lo?

Estou processando Eduardo Jorge, que aliás nem conheço. Eles vão ter que provar o que estão dizendo sobre mim.

José Serra disse inicialmente que não o conhecia. Vocês se conhecem?

O Brasil inteiro me conhece.

O sr. vai falar sobre as acusações do PT?

Só depois das eleições.

Qual atividade o sr. está exercendo?

Nada a declarar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.