Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Tornado mata 10 na Argentina

Vento leva casas e bebê do colo de mãe em San Pedro

Ariel Palacios, O Estadao de S.Paulo

09 de setembro de 2009 | 00h00

"Nunca vimos nada assim antes", disse ontem de manhã Orlando Walfart, prefeito de San Pedro, na província argentina de Misiones, ao ver o cenário de destruição provocado por um tornado que arrasou o município de menos de 20 mil habitantes. As autoridades locais registraram dez mortos e 51 feridos, que foram transportados para hospitais da cidade de Eldorado. Dezoito foram internados em estado grave.

A tempestade começou após as 22h de anteontem e prolongou-se ao longo da madrugada de ontem. San Pedro - localizada no nordeste da província de Misiones, no nordeste da Argentina, próxima à fronteira do Paraná e de Santa Catarina - é uma região agrícola humilde. Cento e vinte famílias perderam suas casas. Muitas delas são compostas por lavradores brasileiros que residem há anos do lado argentino da fronteira com seus descendentes.

Segundo Walfart, os fortes ventos arrancaram um bebê dos braços de sua mãe. Testemunhas contaram que o tornado também carregou animais, além de derrubar árvores e postes de luz. "Uma catástrofe!" Foi essa a definição do ministro da Saúde, Juan Manzur, que viajou para San Pedro, a fim de coordenar os trabalhos de assistência à população da cidade. Manzur sustentou que a destruição provocada pelo tornado cobriu uma faixa entre 100 e 200 metros de largura.

O tornado, que derrubou torres de alta tensão, também destruiu o centro de saúde de Colônia Santa Rosa, um dos distritos de San Pedro. As testemunhas, em declarações aos canais de TV e estações de rádio de Misiones, indicaram que o centro, inaugurado há três anos, havia sido totalmente "apagado do mapa". A devastação foi tamanha que, segundo eles, o local do centro de saúde parecia "um terreno baldio".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.