Tortura Nunca Mais critica projeto do governo federal

O Dia Internacional dos Direitos Humanos foi lembrado hoje por militantes do grupo Tortura Nunca Mais que panfletaram na Cinelândia, no centro do Rio, em frente à Câmara Municipal. O panfleto trazia críticas ao SOS Tortura, projeto do governo federal para que as vítimas de tortura façam denúncias. "O maior violador dos Direitos Humanos é o Estado. Essa campanha (SOS Tortura) é de marketing. Não tem eficácia nenhuma", afirmou a presidente do grupo no Rio, a professora Elizabeth Silveira e Silva.Elizabeth acusa o governo federal de não se preocupar verdadeiramente com a questão, mas com sua imagem no exterior. Para ela, a tortura contra presos no Brasil é sistemática. "Essa prática sempre foi usada contra o preso comum e continua sendo usada. Estão aí os relatórios da ONU e da Anistia Internacional", disse ela. A professora critica o governo por, em sua opinião, transferir uma responsabilidade que é sua, o controle da tortura, para as vítimas."Essa campanha coloca o ônus da denúncia sobre o torturado. Não promove o controle do Estado. Há uma impunidade muito grande", apontou. "A pessoa que é torturada também é ameaçada. Se esse violador é um agente do Estado, cabe ao Estado o controle. Não pode delegar para quem foi afetado. É até cruel isso", acrescentou Elizabeth.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.