Tota roubou até Exército

O traficante mais procurado do Rio, Antonio de Souza Ferreira, o Tota, de 32 anos, tem seis mandados de prisão contra ele por tráfico de drogas, associação para o tráfico, formação de quadrilha e roubo à mão armada. Tota ganhou notoriedade em março de 2006, quando foi acusado de comandar a invasão de um quartel do Exército em São Cristóvão, de onde foram roubados dez fuzis e uma pistola. As armas foram devolvidas depois de o Exército ter feito pressão ocupando os morros da Mangueira e da Providência. Às vésperas dos Jogos Pan-Americanos, em junho do ano passado, Tota conseguiu escapar da maior operação já realizada pela polícia do Rio. Cerca de 1.350 policiais ocuparam o Complexo do Alemão com o objetivo principal de prendê-lo. Dezenove pessoas morreram. Laudo da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência concluiu que, em alguns casos, houve execuções.A recompensa oferecida pelo Disque-Denúncia para informações que levassem à prisão de Tota era de R$ 10 mil, a mais alta oferecida no Estado. Ele substituiu Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, no comando do tráfico no Alemão. Tota começou no tráfico no Morro do Estado, em Niterói, onde se destacou pelas suas habilidades para fazer a contabilidade do tráfico. No complexo, tem fama de violento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.