Tota teria sido morto por ordem de Beira-Mar, diz Beltrame

Líder do tráfico no Complexo do Alemão, Tota é um dos homens mais procurados pela polícia do Rio

Fabiana Cimieri, de O Estado de S. Paulo,

17 de setembro de 2008 | 12h26

Antonio Carlos de Jesus Ferreira, o Tota, pode ter sido morto por ordem de Fernandinho Beira-Mar ou de Marcinho VP. A afirmação foi feita na manhã desta quarta-feira, 17, pelo secretário de Segurança José Mariano Beltrame, que confirmou que foram encontrados quatro corpos carbonizados na favela da Grota, no Complexo do Alemão (zona norte do Rio). Durante a operação, dois supostos traficantes morreram e um policial foi baleado na cabeça. A operação busca o corpo de Tota, um dos traficantes mais procurados do Rio de Janeiro. Veja também:Polícia invade o Alemão, 2 morrem e 4 corpos são encontrados Desde às 9 horas desta quarta, cerca de 800 policiais das Polícias Civil e Militar realizam uma mega operação para checar a informação de que o Tota, chefe do Complexo, e outros membros de sua quadrilha, teriam sido mortos por ordem de lideranças do Comando Vermelho. Beltrame afirmou que há indícios de que traficantes do "comando superior" teriam ordenado a matança. "Esse comando é formado por pessoas que estão presas. Pode ter sido o Marcinho VP ou o (Fernando) Beira-Mar. Não excluímos nenhuma hipótese", disse Beltrame. Segundo ele, outros dois traficantes foram mortos em confronto com policiais do Bope, no Morro do Adeus (também no Complexo do Alemão) e o policial Alexandre Monção Gomes foi baleado na cabeça e está sendo operado em estado gravíssimo no Hospital Getúlio Vargas. Até agora, a polícia apreendeu também três metralhadoras .30, drogas e munição. Até o final do dia, deve ser divulgado o novo balanço da operação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.