Trabalhadores depredam dezenas de ônibus em Manaus

Funcionários ficam revoltados por terem sido afastados de seus serviços por conta do cancelamento de linhas

Liege Albuquerque, do Estadão,

11 de agosto de 2007 | 12h47

Um ônibus foi incendiado e cerca de outros 40 foram depredados com paus e pedras por funcionários de uma empresa de ônibus em Manaus. Os trabalhadores estavam revoltados por terem sido afastados de seus serviços por conta do cancelamento de linhas. De acordo com a Polícia Militar, não houve feridos, mas uma das avenidas principais de acesso ao centro de Manaus, a Constantino Nery, ficou fechada durante toda a manhã deste sábado, 11.   De acordo com um dos diretores do Sindicato dos Rodoviários, Gilvanci de Oliveira, o descontentamento foi por causa de uma decisão da empresa Cidade de Manaus em tirar de circulação cerca de 40 ônibus que faziam uma linha que não seria mais de interesse da empresa cobrir. "Agora colocaram companheiros cobradores e motoristas de reserva, mas as demissões vão vir em seguida", considerou.   Segundo o secretário municipal de Transportes, Marcelo Ramos, a empresa Cidade de Manaus fez o comunicado essa semana à prefeitura, de que não iria mais fazer a linha 300, que atende parte da zona leste da capital. "O que fizemos emergencialmente foi determinar que ônibus da própria empresa circulassem dentro do bairro gratuitamente, o que parece ter motivado o descontentamento", disse. Ramos informou que ainda não há cálculo dos prejuízos e que cabe à empresa tomar as providências na punição de seus funcionários.

Tudo o que sabemos sobre:
Transporte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.