Tracoma atinge 37 crianças em Boa Esperança do Sul

Cerca de 40 crianças e alguns adultos estão com tracoma, uma infecção na córnea que é transmissível e pode levar à cegueira, em Boa Esperança do Sul, município de aproximadamente 14 mil pessoas na região de Ribeirão Preto. Na semana passada, 37 crianças de até 5 anos de duas creches municipais tiveram os diagnósticos de tracoma confirmados. Na noite de ontem, foram confirmados casos em outras crianças em idade escolar e em alguns adultos. "Agora vamos prolongar as investigações nas escolas do ensino fundamental e, depois, nas do médio", disse o secretário de Saúde do município, Alvaro Antonio Baracat.Segundo Baracat, após a confirmação do primeiro caso, a Direção Regional de Saúde (DIR-7), de Araraquara, avisou a Vigilância Epidemiológica de Boa Esperança do Sul. Uma equipe examinou as crianças das duas creches, com mais de 600 alunos. "A primeira orientação foi o uso de uma pomada oftálmica de tetraciclina, que é um antibiótico, durante seis meses", explicou Baracat. Será feito um controle durante nove meses, com novos exames a cada trimestre.Uma das possibilidades de contágio entre as crianças é o uso de toalha de pano coletiva. "O contágio não é fácil, mas as mãos deverão ser enxugadas, individualmente, com toalhas de papel descartáveis", disse Baracat, acrescentando que os casos de cegueiras provocados pelo tracoma ocorrem em idade avançada, pois a evolução da doença é lenta. As características do tracoma podem ser coceira, secreções e olhos avermelhados. Baracat lembrou que para diagnosticá-lo é necessário a reversão da pálpebra superior pelo oftalmologista ou profissional treinado para isso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.