Tradutor roubava livros raros das universidades de Minas

A Polícia Federal apresentou hoje, na sede da Superintendência do órgão, em Belo horizonte, 134 livros pertencentes ao acervo de bibliotecas de universidades mineiras, que haviam sido furtados e foram recuperadas após a prisão, na última sexta-feira, de João Batista Sannazzaro, de 54 anos. De acordo com o delegado da PF, Ricardo Amaro Oliveira, o acusado confessou a autoria dos crimes. No conjunto recuperado haviam obras dos séculos 18 e 19. Os livros foram encontrados na residência de Sannazzaro e em sebos da capital mineira.?A grande maioria eram obras raras?, disse a diretora do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Simone Aparecida Santos, citando como exemplo dois livros de uma coleção do cientista dinamarquês Peter Lund (1801-1880), escritos em 1888. Os livros fazem parte do acervo da Biblioteca do Museu de História Natural da UFMG. Lund viveu e realizou estudos na região do município de Lagoa Santa, na área metropolitana de Belo Horizonte.Em seu depoimento, Sannazzaro disse, segundo Oliveira, que trabalhava como tradutor e revisor de livros e cometia os furtos movido por um ?impulso incontrolável?. ?Ele fala mais de uma língua, é uma pessoa bastante culta?, observou a diretora da UFMG. O acusado foi autuado no artigo 155 do Código Penal e a pena prevista é de um a quatro anos de prisão.Segundo o delegado da PF, as investigações tiveram início há cerca de um ano. A base para a busca de obras desaparecidas foi um inventário feito pela UFMG de seu patrimônio bibliográfico, concluído no final do ano passado. De acordo om Simone Santos, estima-se que todo o acervo das 28 bibliotecas da universidade esteja avaliado em R$ 10 milhões. Um novo inventário está sendo realizado este ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.