Traficante brasileiro dribla cerco da polícia paraguaia

O traficante brasileiro Jarvis Chimenes Pavão admitiu ter se escondido em mais de 60 lugares diferentes no Paraguai nos últimos quatro anos, período em que a polícia do país vizinho, atendendo a uma ordem de captura da Interpol, intensificou as operações contra o tráfico na fronteira com o Brasil.Desafiando o cerco aos traficantes - na quarta-feira foram presos quatro brasileiros liderados por Marcelo da Silva Leandro, o Fernandinho Niterói - Pavão se deixou entrevistar por dois jornalistas de Pedro Juan Caballero, vizinha de Ponta Porá (MS), na noite da última sexta-feira, 28. Os últimos anos "têm sido muito difíceis", reconheceu, "mas tenho amizades em muitos lugares".Pavão é fugitivo da Justiça brasileira. Em 1994, capturado em Balneário Camboriú (SC), ele cumpriu três anos de prisão por tráfico de drogas. Há novos processos contra ele pelo mesmo crime e também por homicídio.Ele divide com Ireno Soligo, o Pingo, a condição de traficante brasileiro mais procurado neste momento pelos paraguaios. Há três semanas, o filho de Pingo, Jonathan Soligo, foi preso com 120 quilos de cocaína em Capitán Bado. Pingo conseguiu fugir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.