Traficante é encontrado morto em Bangu 3

O traficante Neifrance da Silva Nunes, o Nei Sapo, de 35 anos, foi encontrado morto na manhã desta sexta-feira, 1º, na Penitenciária Serrano Neves (Bangu 3). O corpo estava enrolado num lençol, em posição fetal, no chão da galeria B-7, que ele dividia com outros 61 detentos. A causa provável da morte é asfixia.A direção do presídio abriu sindicância para apurar a morte do preso, que também será investigada pela 34ª Delegacia de Polícia (Bangu).Nei Sapo era chefe do tráfico de drogas na Favela de Jacarezinho, ligado ao Comando Vermelho. Ele respondeu à chamada feita pelos guardas às 7h30, para conferir a presença dos presos. Mas quando foi chamado para encontrar-se com seu advogado, não apareceu. O agente penitenciário que foi procurá-lo na cela já o encontrou morto.O crime aconteceu um ano depois do assassinato do traficante Marcos Antônio da Silva Tavares, o Marquinho Niterói, braço-direito de Fernandinho Beira-Mar. Niterói foi asfixiado e seu corpo enrolado num lençol. O crime também aconteceu numa sexta-feira, em Bangu 3. Nos dois casos, a polícia acredita que as mortes tenham sido decididas pela cúpula do Comando Vermelho.O assassinato de Nei Sapo pode estar ligado à prisão de Luciene Marques da Silva, há duas semanas. Ex-mulher do traficante, ela é a principal suspeita de ser mandante do roubo de R$ 1 milhão da casa da mãe de Nei Sapo, a professora Nilce Janete da Silva, em 2004. O grupo que invadiu a casa da professora também a assassinou.Luciene estava foragida desde então e foi presa em Itaperuna, no interior do Estado. Três homens que foram até a cidade para seqüestrá-la e recuperar o dinheiro também foram presos.A morte da professora Nilce Janete da Silva foi punida de acordo com as leis do tráfico. O acusado de ter cometido o crime foi torturado e morto com cinco tiros em janeiro de 2004, uma semana depois do assassinato de Nilce. O corpo dele, decapitado, foi pendurado numa passarela da Avenida Leopoldo Bulhões, em Manguinhos. Ao lado, um cartaz trazia a inscrição "matou família de amigo".Nei Sapo havia sido condenado a 48 anos de prisão por crimes como tráfico, homicídio, formação de quadrilha, associação para o tráfico e porte ilegal de armas. Ele cumpria pena havia seis anos e um mês e passou parte desse período no presídio de segurança máxima de Bangu 1.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.