Interpol/Divulgação
Interpol/Divulgação

Traficante é extraditado para o Brasil a pedido da PF

Preso desde o ano passado, o colombiano Osvaldo Bolívar Ovalle Sevilla pode ser condenado a cumprir de 3 a 10 anos de reclusão

Erich Decat, O Estado de S. Paulo

29 Janeiro 2015 | 14h16

BRASÍLIA - O colombiano Osvaldo Bolívar Ovalle Sevilla, apontado pela Interpol como traficante e preso no ano de 2013 em Bogotá, foi conduzido nesta quinta-feira, 29, ao Rio de Janeiro a pedido da Polícia Federal brasileira. Ovalle vai responder na Justiça Federal pelo crime de associação para o tráfico internacional de drogas.

Pode ser condenado a penas que variam de 3 a 10 anos de reclusão. De acordo com a PF, o grupo criminoso do qual o colombiano faria parte chegou a movimentar cerca de meio bilhão de reais. A prisão dele ocorreu durante investigações da Operação Monte Perdido deflagrada pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes, em cooperação com as polícias dos Estados Unidos/DEA, de Portugal, Austrália e Nova Zelândia.

Na ocasião, foi desarticulada uma quadrilha que operava uma das mais lucrativas rotas de tráfico internacional de cocaína e lavagem de dinheiro. O colombiano atuaria em parceria com o espanhol Oliver Ortiz, apontado como traficante pela Operação Monte Perdido, da PF, e preso em junho de 2013, na lavagem de dinheiro no Rio de Janeiro oriundo do tráfico internacional de drogas. Os dois são acusados de operar uma rota marítima a partir, principalmente, do Peru e da Colômbia com destino à Austrália, em razão dos altos preços que a droga pode alcançar no país da Oceania.

Ainda em 2013, a partir de informações da Polícia Federal do Brasil, as polícias da Austrália e Vanuatu, apreenderam um carregamento de 750 quilos de cocaína na Oceania, registrando uma das maiores apreensões da droga naquela região. O preso responderá por associação para o tráfico, cuja pena pode chegar a 10 anos de reclusão.

Mais conteúdo sobre:
Tráfico violência, PF

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.