Traficante preso em Praia Grande intermediava negócios entre CV e PCC

O traficante Luiz Cláudio da Rocha Mero, conhecido como "Berola", acusado de chefiar o tráfico de drogas em quatro favelas cariocas: Pavão-Pavãozinho e Cantagalo, na zona sul, Barreira do Vasco, na zona norte, e Cidade de Deus, na zona oeste, foi preso na noite de quarta-feira, 19, na cidade de Praia Grande, Litoral Sul de São Paulo. Ele foi detido por agentes do Rio e de Santos em um quiosque na orla marítima, no bairro Aviação.Os policiais apreenderam no local uma moto e dois carros. Seis pessoas que estavam com ele prestaram depoimento na Delegacia de PF em Santos e, em seguida, foram liberadas. "Atualmente, ele fornecia drogas que vinham do Paraguai para os morros da zona sul do Rio (Pavão-Pavãozinho e Cantagalo), redutos dele", contou um policial. Berola, acusado de mediar a venda de armas e drogas entre o Comando Vermelho, facção criminosa do Rio, e o Primeiro Comando da Capital (PCC), facção de São Paulo, foi removido esta manhã para o Rio de Janeiro, onde deverá permanecer preso, em estabelecimento penal não revelado pela polícia. O traficante é apontado como um dos precursores na promoção de bailes "funk" nos morros com o intuito de aumentar as vendas de entorpecentes. "Ele era o elo entre o crime organizado nos dois Estados. A função de Berola era viabilizar o negócio. Ele trazia droga para cá e levava arma para lá, muitas vezes na base da troca", declarou a superintendente em exercício da PF no Rio, delegada Rita Sanches. A prisão do traficante foi planejada durante seis meses pela Polícia Federal de Santos. Não só Berola, mas as cinco pessoas que o acompanhavam e foram presas, foram ouvidas na sede da Polícia Federal, em Santos, no decorrer da madrugada. Os acompanhantes foram dispensados pela manhã. Berola foi removido para o Rio.O traficante chegou a ser preso pela polícia carioca no dia 31 de maio do ano passado, na Cidade de Deus, zona oeste do Rio. Ele é acusado de integrar as quadrilhas de Barreira do Vasco, em São Cristóvão, da Cidade de Deus, em Jacarepaguá, e Parque Alegria, na região do Caju.ForagidoBerola vivia como turista em Santos há mais de um ano. Ele costumava mudar de endereço para dificultar sua localização. Para se manter foragido, o traficante passou por uma cirurgia de redução de estômago na qual perdeu 40 quilos e, no próximo mês, faria uma plástica no rosto. "A fisionomia dele está bem diferente, o que facilitava seu trânsito e dificultava seu reconhecimento", disse a delegada. Em nota, a PF informou que "Berola é temido nas regiões que domina por comandar as localidades com mão de ferro, já tendo, inclusive, mandado e/ou cometido homicídios contra pessoas que teriam divergências com o tráfico". Ele responde a mais de cinco processos por tráfico, porte ilegal de arma, formação de quadrilha e homicídio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.