Traficante suspeito de ligação com o PCC é preso em Volta Redonda

A partir de uma denúncia anônima, a Polícia Militar (PM) prendeu em Volta Redonda, no sul do Estado, o traficante Geovane dos Santos, o Vaninho, de 36 anos, acusado de ligação com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).De acordo com a Polícia Federal (PF), Santos integrava uma quadrilha de 50 traficantes que movimentou, em 2005, cerca de R$ 1,5 milhão com a distribuição, no sul fluminense, de pelo menos 60 quilos de cocaína enviada de São Paulo por integrantes do PCC. Trinta e três pessoas foram presas no dia 23 de fevereiro, na operação Xeque-Mate, da PF. Outras 14 pessoas já haviam sido presas na região desde dezembro do ano passado. As investigações se concentraram nos bairros Aterrado, Vale Verde e Vila Brasília, no município de Volta Redonda.Santos foi preso na casa de Divane Aparecida Soares, no bairro do Retiro, onde a polícia afirma ter encontrado cerca de 200 gramas de cocaína. Ela também foi detida. Quando os policiais do serviço reservado do 28.º Batalhão da PM chegaram à casa, ele estava assistindo televisão. Não houve resistência. Segundo a PM, Santos chefiava o tráfico no Vale Verde e na favela Belo Horizonte. A polícia chegou a ele a partir de informações do Disque Denúncia.OperaçãoCerca de cem policiais federais participaram da operação Xeque-Mate, em fevereiro. Na ocasião, a mulher de Vaninho, Valéria Maria de Oliveira, de 34 anos, foi presa em casa. Os agentes encontraram R$ 7 mil na mochila do filho do casal, de oito anos, que estava saindo para a escola. Segundo a PF, o dinheiro, supostamente arrecadado com a venda de drogas, foi colocado na mochila pela mãe, quando a casa era cercada pelos policiais.De acordo com as investigações, Vaninho assumiu o comando da quadrilha depois da prisão, pela PF, de Anízio Rodrigues de Melo, o Rei, que supostamente comandava a quadrilha, no dia 12 de janeiro, em Taubaté (SP). O cunhado de Vaninho, Diogo, havia sido preso um mês antes, na companhia da mãe, com 30 quilos de maconha, em Queluz (SP).A operação Xeque-Mate ocorreu após três meses de investigações, que resultaram em mais de mil horas de escuta e gravações autorizadas pela Justiça. Durante esse período, foram apreendidos onze quilos de cocaína, que chegavam às rodoviárias de Volta Redonda e Barra Mansa transportados por "mulas", a partir de São Paulo. Da lista de 50, dois acusados continuam foragidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.