Traficantes apreendem vídeos de emissoras de TV

Duas equipes de televisão ? uma do SBT e outra da TV Educativa do Rio ? foram obrigadas hoje por traficantes da favela Vila do João, em Bonsucesso, na zona norte do Rio, a entregarem as fitas de vídeo. Os repórteres seguiam o mesmo trajeto percorrido pelos turistas norte-americanos baleados no sábado nessa favela. Depois do ?confisco?, 80 homens de três batalhões da PM ocuparam a Vila do João. Houve tiroteio, um menor não identificado foi ferido e a polícia apreendeu drogas, informou um oficial do 22º BPM.A equipe do SBT (formada por um repórter, um cinegrafista e um motorista) foi a primeira a ser abordada pelos traficantes. Armados com pistolas e fuzis, os bandidos confiscaram a fita de vídeo, sob a alegação de que teriam sido filmados. Após alguns minutos de diálogo, um dos bandidos engatilhou a pistola encerrou a conversa. ?Vocês querem tomar tiro??, ameaçou. De acordo com o repórter Marcelo Castilho, a equipe entrou em pânico. ?O que você faria??, pergunta ele.Enquanto o jornalista do SBT era ameaçado, chegou a equipe da TVE. ?Vimos o carro do SBT cercado e pensamos que eles estavam gravando a matéria?, relata a repórter Solange Vasconcelos. Quando notaram a aproximação, os traficantes cercaram o segundo carro. ?Eles vieram correndo, apontando as armas para as nossas cabeças?, conta ela. Depois de tomarem o material, os bandidos expulsaram os repórteres da favela. Os dois norte-americanos baleados na noite de sábado, ao entrarem por engano na Vila do João, foram operados e continuam no Centro de Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Samaritano, em Botafogo, zona sul. De acordo com o boletim médico divulgado hoje, Garth Arwen Green, de 51 anos, e seu filho Bradley, de 21, passam bem e apresentam quadro estável.Missionário da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Bradley está há dois anos no Brasil e deveria retornar aos Estados Unidos na próxima quinta-feira. Seus pais, Garth e Wendy, estão no Rio para conhecer a cidade e participar de confraternizações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.