Traficantes atiram contra apartamento de sargento no Rio

Cerca de dez homens armados fizeram um atentado contra o apartamento do segundo sargento do Exército, Derquis Martins de Aguiar, no início da madrugada desta sexta-feira, em Guadalupe, na zona norte do Rio. Ele escapou dos tiros pulando pela janela e se escondendo no pátio do prédio, de onde saiu escoltado pela Polícia do Exército. Segundo testemunhas, uma Kombi com o bando saiu da favela do Muquiço, que fica atrás do conjunto habitacional Getúlio Vargas, onde mora Derquis, e parou na porta do prédio. Eles gritaram para que os moradores abrissem o portão, que estava trancado. Como ninguém abriu, eles pularam o muro e atiraram em direção à janela do sargento, no primeiro andar. O grupo subiu as escadas e atirou na porta do apartamento do sargento. Enquanto isso, Derquis fugia pela janela. A tentativa de homicídio aconteceu por volta de 1 hora da sexta-feira. "Era muito tiro. Moro aqui há mais de 20 anos e nunca ouvi tanto tiro. Acordou todo mundo de Guadalupe", disse uma dona de casa que não quis se identificar. Durante o dia, crianças brincavam recolhendo cápsulas e balas não deflagradas de pistolas 40 mm e 9 mm, embaixo da janela de Derquis. O crime será investigado pelo Exército e pela 33ª Delegacia de Polícia, em Realengo. O delegado Átila Mesquita disse que o sargento sofreu ferimentos leves, como escoriações e pequenos cortes, e que continua sob escolta dos militares. Até o início de sexta, cerca de 30 soldados da Brigada de Pára-quedistas, tropa de elite da corporação, mantinham guarda na entrada do conjunto habitacional. O delegado não quis adiantar as linhas de investigação, mas moradores levantam a suspeita de que o crime tenha sido passional. O sargento separou-se recentemente e morava sozinho no apartamento. Duas adolescentes que moram no mesmo prédio disseram que ele costumava ficar nu na janela, enquanto crianças e jovens brincavam no térreo. Colaborou Marcelo Auler.

Agencia Estado,

06 Abril 2007 | 16h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.