Traficantes de Macaé queimam 4 ônibus para se vingar da PM

Operação da polícia em favelas da cidade deixou 4 criminosos mortos

Talita Figueiredo, O Estadao de S.Paulo

22 de janeiro de 2009 | 00h00

Em represália a uma operação da Polícia Militar que resultou na morte de quatro criminosos, anteontem, traficantes da favela Nova Holanda, em Macaé (norte fluminense), incendiaram quatro ônibus. As ações do 32º Batalhão de Polícia Militar aconteceram nas favelas Malvinas e Nova Holanda, na região conhecida como Barra de Macaé, em momentos diferentes. Um sargento da PM foi ferido de raspão num dos braços. Os incêndios não deixaram ninguém ferido.Segundo o delegado da 123ª Delegacia de Polícia, Daniel Bandeira, a ordem para incendiar os ônibus partiu do traficante Rogério Rios Mosqueira, o Rupinol, líder do tráfico na cidade. Ele está foragido do Rio desde que a Polícia Federal encontrou sua refinaria de cocaína, em 2007. O traficante é um dos líderes da facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA) e se refugia em morros do Rio como São Carlos, na zona norte, e Rocinha, na zona sul.O delegado disse que o tráfico na cidade está aumentando muito por causa da falsa ideia de que Macaé é um "eldorado". "Infelizmente esta é uma cidade que cresce a olhos vistos e ainda está em franca expansão.Macaé teve sua população triplicada nos últimos três anos por causa da exploração do petróleo na costa e muita gente vem aqui atrás de emprego, achando que é o eldorado, mas não é. Assim, há desemprego, aumentam as favelas e também a criminalidade. São as mazelas do progresso", afirma Bandeira.De acordo com o delegado, os ônibus da viação Macaense foram incendiados próximo às comunidades e são meios de transporte usados pelos moradores pobres. Até a tarde de ontem, a circulação de ônibus no município não havia sido completamente retomada. A Polícia Militar reforçou o policiamento próximo às comunidades.Na operação de terça-feira foram apreendidos um fuzil, uma metralhadora, uma pistola, 119 tipos de munição, um carregador de pistola e 114 trouxinhas de cocaína.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.