Traficantes do Rio usam granadas das Malvinas

O secretário de Segurança do Estado do Rio, Anthony Garotinho, quer evitar o contrabando de granadas argentinas para o Rio de Janeiro. Só neste ano, segundo o secretário Garotinho, foram achadas 170 granadas provenientes da Argentina. O secretário está no Rio Grande do Sul para tratar do assunto com o titular da Segurança daquele Estado, José Otávio Germano, que também é presidente do Conselho Nacional de Secretários de Segurança. De acordo com Garotinho, as granadas chegaram por terra ao Rio de Janeiro. Garotinho disse ontem de manhã, no programa da governadora do Estado, Rosinha Matheus, que algumas das granadas datam da Guerra das Malvinas, que ocorreu em 1982, com a Inglaterra.Só na operação Pressão Máxima, realizada há 18 dias nos principais pontos de tráfico de drogas do Rio, foram apreendidas 30 granadas. Garotinho anunciou também que, na próxima quinta-feira, haverá um encontro de secretários de Segurança da região Sudeste para tratar de uma ação integrada contra o crime organizado. As granadas têm sido usadas em atos terroristas para desmoralizar as autoridades. Numa única noite deste ano, a do dia 10 de maio, uma quinta-feira, os traficantes dos morros cariocas queimaram nove ônibus e dois carros, lançaram granadas contra dois shoppings, metralharam uma universidade, uma lanchonete. Executaram dois PMs e feriram outros dois.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.