Traficantes espancam ladrões que jogaram casal de barranco

Criminosos da Rocinha feriram os quatro assaltantes, que foram presos logo depois e confessaram o crime

da Redação, estadao.com.br

05 de março de 2009 | 12h20

Os quatro assaltantes que roubaram um casal e jogaram as vítimas de um barranco na Avenida Niemeyer, no Rio, confessaram o crime. Eles foram presos após o roubo ao empresário Marcelo José de Souza Luiz Viana, de 43 anos, e a namorada dele, a publicitária Paula Guimarães Barreto, de 31. A confissão foi feita em uma conversa informal, segundo a delegada Tercia Amoedo, da 14ª DP (Leblon). Os quatro criminosos foram presos depois que traficantes da Rocinha os feriram e espancaram.

 

Veja também:

link Casal é assaltado e jogado da Av. Niemeyer

link Polícia prende acusados de atirar casal

som Empresário conta como foi o roubo no Rio

 

Quatro ladrões foram agredidos por traficantes da Rocinha e depois presos. Foto: Fábio Motta/AE

 

A polícia desconfia que a surra teria sido em razão da repercussão do caso, que fez com que a polícia passasse a madrugada e o dia na favela. Três dos ladrões foram capturados por policiais militares do 23º BPM, no Leblon, em frente a um supermercado em São Conrado. O quarto foi preso em frente à unidade de saúde, onde ele buscara assistência médica.

 

Uma denúncia anônima levou à prisão dos suspeitos. "Conversei com dois deles e foi feita a confissão. Os dois que ouvi disseram que não participaram das agressões, mas tudo só será esclarecido amanhã (esta quinta), com o testemunho e reconhecimento que será feito pelo casal", afirmou.

 

Casal foi jogado do alto da Av. Niemeyer, de um penhasco de cerca de 30 metros. Foto: Wilton Júnior/AE 

 

Segundo a delegada, dois dos presos têm passagem pela polícia: Thiago Faustino Apolinário dos Santos, 20 anos, já foi preso por roubo e Antônio Manuel Carvalho Ribeiro, de 33 anos, tem cinco anotações em sua ficha criminal por furto. Os outros dois, Alexandre dos Santos e Willson Alves da Silva, ambos de 19 anos, não têm passagem pela polícia. A delegada ouviu rapidamente os suspeitos que tinha previsão de alta para a madrugada.

Tudo o que sabemos sobre:
violência no RioAvenida Niemeyer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.