Traficantes fazem mãe viciada e filho reféns por três dias em Porto Alegre

Segundo a polícia, mulher estava dopada quando foi libertada, ontem à noite, e criança, com fome

Priscila Trindade, estadão.com.br

17 de junho de 2011 | 12h07

SÃO PAULO - A Polícia Civil do Rio Grande do Sul libertou uma socióloga de 34 anos e o filho dela, um menino de 2 anos, mantidos em cárcere privado por três dias em um ponto de venda de drogas na Vila Campo da Tuca, em Porto Alegre. Eles foram soltos na noite de quinta-feira. Um suspeito foi preso.

 

O delegado Rodrigo Zucco, do Departamento de Investigação do Narcotráfico (Denarc), disse que a mulher é viciada em crack e foi até o local na segunda-feira comprar drogas, quando foi impedida de sair do local pelos criminosos.

 

A mulher estava vestida com roupas caras e com joias. Além dos objetos pessoais, o carro dela foi vendido pelos bandidos. A polícia acredita que os traficantes iriam pedir resgate para liberar as vítimas.

 

A família da socióloga procurou a polícia e informou o desaparecimento. Depois de investigações, os agentes descobriram o que as vítimas estavam em um casebre. Segundo a polícia, nesse período a mulher usou crack e, no momento da abordagem policial, ela estava dopada. A criança estava com frio e com fome.

 

O menino foi levado para a avó materna e a mulher foi internada em uma clínica de recuperação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.