Traficantes fogem da PM e abandonam 11 bombas no Rio

Traficantes em fuga deixaram no Morro da Querosene, na Ilha do Governador, na zona norte da capital, 11 bombas artesanais, muitos "sacolés" e outros materiais usados para embalar drogas e pedaços de papéis escritos com números e mensagens como "cocaína 100% pura". Segundo peritos, 10 das 11 bombas são de impacto, ou seja, uma vez jogadas explodem assim que batem em algo sólido. A outra bomba tem pavio. Também foi encontrado um celular sem bateria e um rádio comunicador. O material foi encontrado por policiais militares que, ao subirem o morro, trocaram tiros com os bandidos. Apesar do tiroteio, ninguém foi ferido nem preso. O material foi levado para a 37a Delegacia de Polícia, na Ilha. Segundo a Polícia Militar, em outro confronto entre traficantes e a PMs dois homens não-identificados morreram no Morro do Faz Quem Quer, em Vaz Lobo. Eles aparentavam ter cerca de 20 anos de idade e estavam armados com espingarda, pistola e revólver calibre 38. Tinham também 31 "sacolés" de cocaína.Em mais um episódio de um fim de semana especialmente violento na cidade, na noite de sábado o patrulheiro rodoviário federal Fábio Gomes foi seqüestrado. Gomes foi rendido por três homens armados, quando estava entrando no seu carro, na Rua Clarimundo de Melo, na Piedade. Os bandidos pegaram sua arma e o prenderam dentro do porta-mala do carro. Gomes conseguiu abrir e saltou do carro, que já estava em movimento com os seqüestradores dentro. O carro foi encontrado depois, abandonado em Cascadura. A mesma sorte não teve um homem negro não-identificado que foi encontrado morto ontem de manhã dentro do porta-malas de um Gol estacionado no acesso para o Morro do Chaves, em São Cristóvão, na zona norte. Ele tinha sido amarrado e assassinado a tiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.