Traficantes fuzilam delegado de polícia em favela

O delegado de polícia Roberto Ubiratan Dias foi executado com tiros de fuzil por traficantes na favela Roquete Pinto, em Ramos, zona norte do Rio. Ele comandava uma operação para capturar Nei da Conceição Cruz, o Facão, um dos líderes da facção criminosa Terceiro Comando, e foi alvejado num confronto com bandidos que se escondiam numa casa. Dois inspetores foram feridos sem gravidade, um criminoso morreu e outros três foram presos. Facão fugiu. Na Baixada Fluminense, seis traficantes foram mortos pela polícia.O delegado, que assumira a chefia da Delegacia de Capturas da área da Suburbana havia dois meses, participava da ocupação no Complexo da Maré, perto da Roquete Pinto, quando recebeu denúncia de que Facão e seus comparsas estavam refugiados numa casa da comunidade. Por volta de meio-dia, ele foi até lá com outros treze policiais. Levou três tiros - no ombro, na cervical e na mandíbula - e morreu na hora. Os criminosos ainda lançaram uma granada na direção do grupo de policiais. Os inspetores Joelson dos Santos, de 35 anos, e Paulo Costa, de 41, foram feridos por estilhaços na mão esquerda e na perna direita e não chegaram a ser internados. Um homem não identificado, suposto traficante, morreu no confronto, e outros três foram presos perto dali.Na casa onde os bandidos se escondiam, foram apreendidos dois fuzis, uma escopeta, munição e radiotransmissores. Por causa da morte do delegado, a Roquete Pinto será ocupada por cem policiais civis e militares, disseram autoridades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.