Traficantes metralham ônibus no Rio e deixam três feridos

Passageiros voltavam de show de reggae no Piscinão de Ramos; polícia acredita que ataque foi por engano

Talita Figueiredo, estadao.com.br

03 Fevereiro 2009 | 09h07

Traficantes da favela Pavra Pedro, em Irajá, zona norte carioca, metralharam um ônibus na madrugada de segunda-feira e deixaram três pessoas feridas, duas delas em estado grave. O ônibus estava lotado de jovens que voltavam de um show do Afroreggae no Piscinão de Ramos, também na zona norte. A polícia ainda não sabe o que motivou o ataque, mas o delegado João Dias, da 27ª Delegacia de Polícia, investiga a possibilidade de os traficantes terem confundido os passageiros do ônibus com traficantes rivais. As marcas do ataque eram visíveis ontem no ônibus, que teve alguns vidros de suas janelas estilhaçadas pelos tiros. Os jovens vinham cantando quando o ataque aconteceu. Os passageiros contaram na delegacia, que o motorista havia acabado de parar no ponto quando os criminosos saíram de becos da favela atirando contra o ônibus. Pelos menos seis disparos foram feitos, mas a perícia não encontrou balas dentro do ônibus. Foi o próprio motorista, cujo nome não foi divulgado pela polícia, que conduziu os passageiros feridos até a emergência do Hospital Getúlio Vargas.  Kelly dos Santos Benicasa, de 17 anos, foi atingida por três tiros, está com duas balas alojadas na coluna e pode ficar paraplégica, segundo informações do Hospital Getúlio Vargas, onde ela está internada. Ela respira com ajuda de aparelhos. João Cléber Santos de Souza, de 21 anos, foi atingido na cabeça, teve perda de massa encefálica e está em coma. A terceira vítima, Adriana da Conceição, de 37, foi ferida de raspão no rosto e não corre risco de morrer. Nenhum dos passageiros feridos tinha antecedentes criminais. Outros ataques Na segunda à tarde, um ônibus da viação Verdun foi depredado no Engenho de Dentro, zona norte. Segundo a polícia, um grupo de pelo menos 15 jovens jogou pedras e quebrou todas as janelas do ônibus, que estava parada no ponto final da linha 247, próximo à favela Camarista. Os garotos seriam moradores da comunidade e teriam apedrejado o ônibus a pedido de traficantes da região que estariam cobrando dinheiro da empresa para a permanência do ponto de ônibus no local. A Verdin não confirmou a tentativa de extorsão dos traficantes. Não havia passageiros no ônibus e ninguém ficou ferido. Em Tanguá, na Região Metropolitana do Rio, um ônibus caiu em um barranco na Rodovia Niterói-Manilha durante uma tentativa de assalto. O motorista do ônibus percebeu que o assaltante Adriano Narciso da Silva Pereira, de 20 anos, carregava uma arma falsa, feita de madeira, e reagiu, sem parar o ônibus. Na luta, o motorista perdeu o controle da direção. Ninguém ficou ferido, mas o assaltante quase foi linchado pelos passageiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.