Traficantes metralham postos da polícia no Rio

Trinta horas depois de criminosos terem explodido uma granada em frente à Secretaria de Estado de Direitos Humanos, traficantes atacaram dois Postos de Policiamento Comunitário (PPC) em favelas da zona norte e da zona oeste. Eles lançaram granadas e dispararam tiros de fuzis contra as unidades, na madrugada. Dois policiais ficaram feridos. O comandante-geral da PM, coronel Francisco Braz, promete reação. "Essas ações não ficarão sem resposta", garantiu. Ele anunciou que hoje começa uma nova modalidade de policiamento no Estado, com cem motocicletas circulando pelas áreas de alto índice de violência.O primeiro posto a ser atacado pelos traficantes foi o de Ramos, na favela Roquete Pinto, próximo ao Piscinão de Ramos. Os criminosos dispararam 70 tiros, perfuraram as paredes, quebraram vidraças. O soldado Murilo César Pestana Brum, de 31 anos, fazia uma ronda na favela e foi ferido na perna direita. Ele foi atendido no Hospital Geral de Bonsucesso e transferido para o Hospital da Polícia Militar.A polícia acredita que o ataque tenha ocorrido em represália à morte de um traficante, não identificado, durante confronto com a polícia, que apreendeu uma escopeta com o traficante. Hoje, o comércio em Ramos permaneceu fechado. A Favela Roquete Pinto foi a primeira a ter o programa de ocupação social do governo Benedita da Silva, de aproximação entre polícia e comunidade. "Isso ocorreu porque está incomodando. O tráfico não está gostando dessa mudança", afirmou o tenente-coronel César Monteiro, comandante do 21.º Batalhão da Polícia Militar.Em Santa Cruz, na zona oeste, traficantes metralharam o PPC da Favela do Rola. Eles chegaram a cercar a cabine e a atirar numa creche vizinha ao posto. O soldado José Marcos Dias de Albuquerque foi ferido por estilhaços dos disparos. Ele foi socorrido no Hospital Pedro II e passa bem. Policiais do 27.º Batalhão da PM (Santa Cruz) estão ocupando a Favela de Antares e o ataque pode ser uma reação a esse policiamento intensivo. Hoje, a Creche Nossa Senhora Maria Auxiliadora ficou fechada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.