Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Traficantes promovem cenas de terror em São Cristóvão

Um empresário morreu e pelo menos duas pessoas ficaram feridasna noite de ontem, quando um comboio de traficantes percorreu obairro de São Cristóvão, na zona norte, promovendo cenas de violência. Eles tentaram roubar carros e fizeram disparos a esmo. A polícia negou que a ação do bando tenha ocorrido em represália à investigação na Favela Barreira do Vasco, em que traficantes foram filmados por policiais civis com carros roubados, armas e drogas.A ação do bando começou por volta das 23 horas. Divididos em pelo menos dois carros ? um Vectra e um Tempra ?, os criminosos atiraram aleatoriamente na Praça Argentina. Francisco Moreira, de 34 anos, que tomava cerveja num quiosque foi baleado nas costas. O mendigo Glacy Gomes Pinheiro, de 49 anos, dormia num colchonete, quando foi atingido na coxa direita. Carros, lojas e prédios foram alvejados.O grupo seguiu pela Rua da Liberdade, onde tentou roubar um Siena, mas o motorista reagiu e houve troca de tiros. Ele abandonou seu carro e conseguiu escapar. Mais adiante, os traficantes encontraram um microônibus do Exército, ocupado por um sargento e três soldados, que patrulhavam unidades militares. Os criminosos fizeram disparos para o alto, obrigando o ônibus a recuar. ?Fica evidente que eles não queriam confronto conosco?, afirmou o relações públicas do Comando Militar do Leste, coronel Ivan Cosme. Ele disse que os militares desceram do ônibus e voltaram a pé ao local em que os traficantes estavam, mas eles haviam deixado o local. Na Rua Paula e Silva, o bando começou a perseguir o Golf prata do empresário Jorge Claro Rocha, de 35 anos, que seguia para casa, na Tijuca. Os criminosos atiraram contra Rocha. Mesmo ferido, o empresário conseguiu dirigir por algus metros. Ao parar, seu carro foi cercado e metralhado. Rocha morreu no local. Ele estava com dinheiro, cartões e talões de cheque, mas nada foi levado.Horas depois, o Disque-Denúncia recebeu a informação de que o comboio de traficantes havia partido da Barreira do Vasco e que um dos carros usados pelo bando, o Tempra vinho, aparece nas imagens gravadas pela Polícia Civil. ?Reforça essa hipótese o fato de o Vectra preto usado pelos criminosos ter sido encontrado próximo à Barreira do Vasco. Mas não houve represália alguma. Eles apenas queriam dar continuidade a sua atividade de roubo de carros?.A família do empresário criticou a veiculação das imagens. ?Se eles tinham as gravações, por que não prenderam os traficantes antes de divulgar o filme? O chefe de Polícia (Zaqueu Teixeira) disse nesta terça-feira que a Barreira estava sob controle. Sob o controle de quem??, indagou o empresário Sérgio Claro, presidente da Associação Comercial de São João de Meriti e tio de Rocha. Jorge Claro Rocha, que era pai de dois meninos de 9 e 3 anos, foi enterrado na tarde de hoje, no Cemitério São João Batista. O chefe da Polícia Civil não foi encontrado para comentar as críticas da família. De acordo com o coordenador do Disque-Denúncia, Zeca Borges, desde que as imagens da movimentação dos traficantes na Barreira do Vasco foram ao ar, o serviço recebeu 54 informações sobre a identidade dos criminosos que apareceram no filme. Nesta quarta-feira, numa operação na favela, três suspeitos de pertencerem à quadrilha foram presos em flagrante com drogas e armas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.