Traficantes usavam telefone público para disque-droga

A polícia prendeu hoje dois menores acusados de implantar o terror na rua Leônidas Busi, no Capão Redondo, zona sul da capital paulista. Junto com um homem cuja identidade a polícia ainda está apurando, os menores tomavam conta de um ponto de tráfico de drogas sobre a laje de uma habitação coletiva, de onde coordenavam o "negócio" usando, inclusive, um telefone público para um "disque-drogas" e ameaçando de morte quem interferisse.Os traficantes se apoderaram da laje sobre as residências de onde entregavam drogas aos viciados por meio de uma lata amarrada a uma corda. "Eles desciam a corda e o interessado em comprar a droga colocava o dinheiro dentro de uma lata que subia e, depois, descia novamente com o entorpecente", disse um investigador que participou da operação e pediu para não ter o nome revelado.Ele disse que os traficantes puxaram um cabo de um telefone público localizado a 50 metros das residências e que era usado por eles. Os traficantes proibiram qualquer morador de usar o aparelho. A polícia suspeita que por este telefone eram feitas as encomendas numa espécie de "disque-drogas".A polícia flagrou no local o menor C.E.S., de 17 anos, apontado como traficante, e outro menor, J.C.P.S., de 16, que seria o "olheiro" do ponto de tráfico, responsável pela vigília da região e quem daria o alerta no caso de a polícia estar por perto. Com eles foram apreendidos 59 pedras de crack, 69 papelotes de cocaína e 14 trouxinhas de maconha, além de um radiocomunicador. Os menores foram levados para a Febem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.