Tráfico de drogas e ocupação da polícia teriam unido facções criminosas no Rio

Comando Vermelho e Amigos dos Amigos teriam feito parceira, visando manter controle da Rocinha e do Complexo do Alemão

Gabriela Moreira, O Estado de S. Paulo

24 Novembro 2010 | 18h43

RIO - Dinheiro e soldados do tráfico uniram as duas principais facções criminosas que atuam no Rio. De um lado, o Comando Vermelho (CV) que vem tendo prejuízos com a perda de pontos de venda de drogas e de outro, o grupo rival Amigos dos Amigos (ADA), que teme a ocupação da polícia na favela mais rentável da quadrilha, a Rocinha, na zona sul.

 

Em conversas supostamente costuradas em bailes funk e em reuniões, traficantes teriam acertado que o CV cederia homens à Rocinha ,e a ADA financiaria a resistência no Complexo do Alemão, conjunto de 18 favelas, onde fica a "sede" do CV. As informações foram recebidas pela Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança.

 

De acordo com os relatórios, as negociações entre as facções se teriam se intensificado após a inclusão, em outubro, do traficante Márcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), na penitenciária federal de Catanduvas, no Paraná. VP é um dos chefes do Comando Vermelho. Paralelo a isso, as declarações do governador Sérgio Cabral de que a Rocinha seria uma das próximas comunidades a receber uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) - após o ataque ao Hotel Intercontinental, em São Conrado, em agosto - acionou o alerta na ADA.

 

"O CV está sem dinheiro, mas tem muito traficante à disposição. A ADA tem muito dinheiro e pouca gente para uma resistência. Estes dois fatores facilitam a união", disse um policial do setor de inteligência.

 

Vila Cruzeiro. As atenções da secretaria de Segurança, no entanto, estão voltadas para a Vila Cruzeiro, localizada na Penha. Vizinha ao Complexo do Alemão, na zona norte, é o esconderijo do traficante Fabiano Atanazio da Silva, o FB. Ele seria o homem responsável por colocar em prática as ações planejadas por Marcinho VP de dentro do presídio para espalhar o terror na cidade. Essa informação foi classificada pela subsecretaria como A1, ou seja, a mais confiável e importante na escala de investigação.

 

"Recebemos informações de todo o tipo e de todos os níveis, mas a considerada mais confiável e importante é a de que o FB é quem está colocando em prática as ordens do Marcinho VP", afirmou o policial.

 

Colaborou Marcelo Auler, de O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.