Tráfico informou local das armas, admite Exército

No 12º dia de operações militares no Rio, o Exército recuperou os dez fuzis e a pistola roubados de um quartel da cidade no dia 3. Eles foram achados por volta das 18h30, numa "trilha ao lado da região conhecida como Esqueleto, próximo da Estrada das Canoas, em São Conrado", conforme nota do Comando Militar do Leste (CML) e da Secretaria de Segurança. O Exército admitiu que a localização das armas foi revelada por traficantes preocupados com o prejuízo para as vendas de uma ocupação realizada na Rocinha.O chefe do Estado-Maior do CML, general Hélio Chagas Macedo, disse que um militar do setor de inteligência foi avisado do esconderijo das armas por um homem que passou de motocicleta pelas tropas. O informante não foi detido. Os fuzis e a pistola, que seriam enviado a peritos militares, foram apresentados à imprensa na sede do CML, no centro.Encontradas as armas, o Exército tem como objetivo máximo agora identificar e prender os autores do roubo. "Chegaremos à prisão dos responsáveis. Com certeza", afirmou o general Macedo. Ele explicou que as tropas continuarão disponíveis para o cumprimento de mandados de busca e apreensão ou de prisão, segundo as necessidades do Inquérito Policial-Militar que investiga o roubo das armas. "As ações continuam. Serão mais focadas, mas continuam."Além da Rocinha, os militares ocuparam nesta terça a favela Curral das Éguas, na zona oeste, por volta das 6 horas. Trezentos homens tomaram ruas, vielas e uma passarela que dá acesso à favela. Seis veículos blindados e um helicóptero reforçaram a operação. Os militares cumpriram quatro mandados de busca. Nada foi encontrado e a tropa deixou o local à tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.