Tráfico internacional de mulheres será discutido em SP

Será realizado em São Paulo, nos dias 6 e 7 de outubro, o "I Seminário Internacional de Tráfico de Mulheres", organizado pela Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, juntamente com o Consulado dos Estados Unidos da América. O objetivo é estimular o debate para repressão deste tipo de atividade. Segundo o governo do Estado, o seminário acontece num momento oportuno para a discussão do problema. Ontem, no discurso de abertura da 58ª Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), o presidente George W. Bush falou sobre a importância da criação de mecanismos supranacionais que impeçam a proliferação do tráfico de seres humanos.Segundo dados recentes da ONU, o tráfico de pessoas é a terceira atividade mais rentável dentre as praticadas pelo crime organizado. De acordo com a entidade, este crime movimenta de US$ 5 a 7 bilhões por ano, perdendo apenas para o tráfico de drogas e o de armas.As principais vítimas dessa prática são mulheres que emergem da população carente. Elas são atraídas por falsas promessas de um bom emprego no exterior, como modelos, dançarinas e outras atividades, mas acabam encontrando como destino casas de prostituição.O secretário da Justiça, Alexandre de Moraes, considerando a necessidade de elaborar uma política eficiente para aprimorar os mecanismos institucionais de prevenção e combate ao tráfico de seres humanos, criou uma Comissão Especial para organizar um seminário sobre este assunto. Fazem parte da Comissão o Conselho Estadual da Condição Feminina, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o Consulado dos Estados Unidos da América do Norte, além das ONGs Conselho Estadual da Condição Feminina de São Paulo, Comitê Latino-Americano e do Caribe de Defesa dos Direitos da Mulher (Cladem) e Elas por Elas na Política.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.