Tragédia na Barra: amigos não acreditam em suicídio

Bruna Labate era uma jovem que gostava de se divertir e tinha muitos amigos, segundo lembraram hoje alguns colegas que trabalharam com ela em uma loja de roupas do shopping Fashion Mall, um dos mais elegantes do Rio, no bairro São Conrado, zona sul da cidade. Estudante de marketing, ela trabalhou no shopping por cerca de sete meses, até dezembro do ano passado.Filha de Vitor Labate, um rico empresário paulista, Bruna não teria qualquer motivo para pular conscientemente do prédio, segundo afirmaram os colegas, que preferiram não se identificar. Eles acreditam que a jovem pode ter caído acidentalmente da janela. Órfã de mãe desde a infância, ela recebia constantemente a visita do pai, que vive em São Paulo com a única irmã de Bruna.A estudante morava em um prédio de classe média alta, localizado em frente ao Fashion Mall, onde a taxa de condomínio é de R$ 550. Ela vivia sozinha em um apartamento de três quartos do edifício de 20 andares.A morte de Bruna também ocorreu em um condomínio de classe média alta, o Terrazzas, localizado de frente para o mar, na Barra da Tijuca. A festa onde ela estava foi realizada em um dos 13 prédios de três andares e coberturas duplex do condomínio, instalados em meio a muitas árvores e protegidos por uma guarita onde dois porteiros controlam o acesso dos visitantes.Hoje, os porteiros estiveram por um longo tempo ocupados em driblar o assédio da imprensa e foram proibidos de prestar qualquer informação. Os moradores que circulavam no local desconheciam, na maior parte, a ocorrência do acidente. Vizinha do apartamento onde aconteceu a festa, a estudante Viviana Guimarães disse que ouviu apenas "um barulho forte" no momento em que tomava água na cozinha da sua casa, por volta das 3 horas. Segundo ela, a família que realizou a festa, que ontem esteve reclusa no condomínio, mora no Terrazzas há menos de um ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.