Tragédia na Região Serrana é pior do que em Angra, diz vice-governador do Rio

Luiz Fernando Pezão sobrevoou área afetada onde dezenas morreram; Cabral telefonou para Dilma

Estadão.com.br,

12 de janeiro de 2011 | 15h17

SÃO PAULO - O vice-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, sobrevoou nesta quarta-feira, 12, as cidades da Região Serrana afetadas pelas chuvas e deslizamentos de terra. Segundo a assessoria de imprensa do governo, ele disse que a tragédia é pior do que a de janeiro de 2010. "Nunca vi nada igual, nem mesmo nos deslizamentos em Angra dos Reis, no ano passado. Esse é o momento de ver o que pode ser feito para resolver a situação dessas pessoas", falou.

 

Veja também:

linkPrevisão é de mais chuvas para a região

linkGoverno federal se compremete a ajudar o Rio, diz senador fluminense

linkFamília reforma casa para ser única moradora do Morro do Bumba

 

Dezenas de pessoas morreram, principalmente na cidade de Teresópolis, por causa da chuva intensa entre o fim da noite de ontem e esta manhã. Segundo Pezão, o secretário nacional de Defesa Civil, Humberto Viana Filho, visitará a região na quinta-feira, quando deixar São Paulo - também afetada pelas fortes chuvas nesta semana.

 

Ruas e estradas que dão acessos à região foram bloqueadas por desmoronamento de encostas, o que dificulta o trabalho de resgate, remoção e ajuda a moradores. De acordo com assessoria do Rio, o subsecretário executivo de Obras, Hudson Braga, solicitou a liberação de equipamentos ao Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit), para ajudar na liberação de rodovias. A expectativa é que os principais acessos aos municípios sejam desbloqueados ainda nesta quarta.

 

Presidente. No início desta tarde, o governador Sérgio Cabral conversou com a presidente Dilma Rousseff, por telefone. Eles falaram sobre medidas emergenciais que serão tomadas em conjunto para o atendimento dos moradores, assim como a reconstrução da área afetada.

 

Conforme o governo do Rio, o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, chega ao Rio nesta tarde para avaliar a situação das cidades. O governo federal deverá ajudar o Estado através dos ministérios da Integração, da Defesa, da Saúde, do Desenvolvimento Social, do Meio Ambiente e dos Transportes.

 

Mais cedo, Cabral já havia solicitado ajuda à Marinha, pedindo que a força armada cedesse aeronaves para ajudar no transporte de materiais e equipe que trabalham no socorro às vítimas das cidades de Teresópolis, Nova Friburgo e Petrópolis.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.