Trânsito de SP vive rush fora de hora na chegada de Bush

Apesar de ter uma passagem rápida pelas principais ruas do chamado anel viário da cidade - como a Avenida 23 de Maio -, a comitiva do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, transformou a região do Centro Expandido da Capital Paulistana em região de rush, em pleno horário de calmaria no trânsito.Embora a Companhia de Engenharia de Tráfego e o Comando da Polícia Militar não informem as taxas de congestionamento no momento em que o presidente norte-americano era transportado para o hotel Hilton, no Brooklin, os motoristas tiveram de enfrentar os bloqueios antecipados que as pistas sofreram para dar passagem à comitiva dos Estados Unidos.Na região da Avenida 23 de Março, no sentido Norte-Sul, o motorista teve de esperar mais de 50 minutos para ver liberada a pista que leva até o extremo sul da capital paulista. Todas as pontes que cruzam a avenida também sofreram os reflexos do bloqueio do tráfego no local.Embora a comitiva dos Estados Unidos tenha passado rapidamente, o principal problema que resultou nos congestionamentos foi o fato de as vias serem bloqueadas com pelo menos 30 minutos de antecedência. Tanto a CET quanto a PM minimizam o tráfego enfrentado pelos motoristas no rush fora do horário. De acordo com dados oficiais emitidos pelo site da CET, às 20 horas, havia 25 quilômetros de lentidão na cidade. Às 21h10, ainda de acordo com o site do órgão controlador do trânsito no município, esse índice caiu para 10 quilômetros. Segundo o chefe da seção de Comunicação Social do Comando Militar do Sudeste, César Augusto Moura, as vias entre o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, e o Hotel Hilton, na zona sul da Capital, ficaram interditadas antes da passagem do presidente e foram liberadas 15 minutos após o último carro da comitiva - com aproximadamente 40 veículos, entre limusines e outros carros de luxo.O comboio percorreu a Rodovia Presidente Dutra, a Radia Leste, as avenidas Salim Farah Maluf, 23 de Maio, Rubem Berta, Washington Luis e Jornalista Roberto Marinho. O percurso foi realizado em cerca de uma hora. Por volta das 21 horas, Bush e sua esposa, Laura Bush, já estavam no Hilton, no Brooklin. ´A hora do Bush´O presidente Bush mudou a rotina de um dos principais centros empresariais de São Paulo, antes mesmo de desembarcar na Capital. Vários escritórios da Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, no Brooklin, Zona Sul, dispensaram seus funcionários entre 16h e 16h30 desta quinta-feira. A avenida passa ao lado do Hotel Hilton, onde Bush já está hospedado. A idéia era evitar que o horário de saída deles pudesse coincidir com a chegada da comitiva do presidente. O rush antecipado, porém, causou problemas a quem precisava pegar ônibus para casa. Os pontos ficaram lotados e não havia espaço para todo mundo nos ônibus. ?Já passaram alguns, mas não deu para entrar. Isso aqui é vazio nesse horário?, estranhou a copeira Cecília Teles, liberada às 16h, uma hora antes do normal, e dispensada hoje do serviço, em um prédio de frente para o Hilton. Não houve mudança nem de horário nem de itinerário nas linhas que passam pela Berrini.A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) fez bloqueios em sete ruas próximas ao hotel, mas não houve congestionamentos. Motoristas se queixaram da proibição de estacionamento nessas ruas desde o início da manhã, por razões de segurança. ?Somos 16 taxistas nesse ponto e vamos ficar sem passageiro por dois dias. É um prejuízo de quase R$ 8 mil?, disse Izaías de Oliveira, cujo ponto fica na Rua Arizona. O trânsito só parou entre as 16h10 e as 16h25, quando o sentido bairro da Berrini foi bloqueado para a saída de cerca de 25 carros da comitiva de Bush, rumo ao Aeroporto de Guarulhos.A CET registrou pico de lentidão na cidade às 8h30, de 100 quilômetros - a média é de 73. O problema se concentrou na Marginal do Pinheiros, por causa das obras de recapeamento da pista. À tarde, no entanto, os índices ficaram abaixo da média. Uma manifestação de estudantes contra Bush na Avenida Paulista causou 2 km de congestionamento por volta das 16h, com reflexos até na Avenida Rebouças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.