Trânsito nos sábados amplia restrições

Será proibido parar em dez vias do Itaim-Bibi, entre elas as Ruas Tabapuã e Renato Paes de Barros

Naiana Oscar e Luisa Alcalde, O Estadao de S.Paulo

02 de maio de 2009 | 00h00

O congestionamento que já avança pelo fim de semana fez a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) proibir o estacionamento de veículos também aos sábados em ruas e avenidas do Itaim-Bibi, na zona sul. Essa é uma das medidas de um pacotão da CET para o combate à lentidão no trânsito, que entra em vigor na quarta-feira. As placas, porém, já estão expostas e confundem os motoristas.No Itaim, 10 das 17 vias que fazem parte do programa terão a proibição do estacionamento estendida ao sábado, entre 7 e 14 horas. Entre elas estão trechos das Avenidas Faria Lima e Hélio Pellegrino, além das Ruas Tabapuã e Renato Paes de Barros. Ao todo, essa região também perderá 208 vagas de Zona Azul, passando de 1.465 para 1.257. Os marronzinhos já estão circulando com mais frequência por ali, mas as multas, de acordo com a CET, só serão aplicadas a partir de quarta-feira. Segundo manobristas, clientes de bares e restaurantes e donos de estacionamentos do Itaim, os motoristas foram pegos de surpresa com a troca da sinalização, feita há uma semana. As novas placas já estão todas expostas e são por elas que os motoristas estão se guiando. "Ontem, um conhecido frequentador do restaurante ia parando o carro dele aqui na porta, como sempre fazia, quando eu disse que ele não poderia mais estacionar. Ele ficou bravo e me perguntou por quê. Como resposta, só apontei a placa com a nova sinalização", conta o manobrista de um restaurante japonês localizado na Rua Mário Ferraz Erivelto do Carmo Santos, de 23 anos.Na Rua Mário Ferraz, onde era possível estacionar dos dois lados até a última segunda-feira, as regras agora já são outras. Do lado ímpar será proibido parar na via e o lado par virou Zona Azul.Para o casal de engenheiros Daniele Rodrigues, de 35 anos, e Juliano Covas, de 30, o efeito prático da medida não vai afetar tanto os frequentadores de bares e restaurantes da região, que já são acostumados, na opinião deles, a pagar estacionamentos. "Mas quem costuma ir lá para fazer compras em lojas de rua não vai querer pagar. Vai acabar procurando os shoppings", acredita ela. Donos de estacionamentos da região esperam conquistar clientes. O manobrista Alcides Araújo, de 44 anos, acredita que o pátio começará a lotar nas próximas semanas. Para parar ali é preciso desembolsar R$ 15 pela primeira hora.Para o consultor de trânsito Luiz Célio Bottura, restringir as vagas de estacionamento na cidade é uma tendência natural, já que o sistema viário precisa ganhar espaço. Com o aumento da frota, a restrição nos fins de semana também passa a ser uma necessidade, segundo ele. Aos sábados e domingos, o tráfego não é tão intenso em grandes avenidas, mas se concentra na proximidade de shoppings, ruas de comércio, bares e restaurantes. "São as atividades especiais, ainda mais procuradas quando acaba o verão e as pessoas decidem ficar na cidade", disse Bottura. "Daqui a uns anos veremos a proibição de estacionamento aos domingos também." Segundo o sindicato dos marronzinhos, o monitoramento de lentidão feito durante a semana já é realizado aos sábados, mas em 25% dos 835 quilômetros de ruas acompanhadas pelos técnicos da CET. "A medição de congestionamento aos sábados existe, só não é divulgada", diz o diretor da entidade, Alfredo Colleti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.